Qual é a Importância do Professor para o Sucesso da Educação?

Professor é uma profissão das mais antigas que se tem registro. Mas, um educador que fale para um grupo grande, surgiu na modernidade, entre o século XVII e XVIII, com o capitalismo. Nesse período, a profissão saiu do domínio da igreja católica, e outros cidadãos, além dos religiosos, puderam exercê-la. Deste momento até hoje, muita coisa mudou, menos a importância desse profissional para o crescimento, aprendizado, e formação do modo amplo de cada um de nós.

Hoje, para ser professor é preciso fazer um curso de pedagogia ou licenciatura. Com o primeiro, ele poderá atuar na educação infantil e ensino fundamental do primeiro ao quinto ano, ou após um tempo de profissão, ser coordenador pedagógico, diretor de escola ou supervisor de ensino. Com a licenciatura, poderá trabalhar com ensino fundamental II nas áreas específicas, como matemática, geografia, português, computação e assim por diante.

“A função do professor é atuar, basicamente, em sala de aula, e o perfil solicitado, hoje, é de um pesquisador da própria prática e da didática ensinada em sala de aula. Ou seja, uma formação muito mais voltada para a docência, ensino e aprendizagem”, explica Jussara, “além da sala de aula, o pedagogo pode atuar em outras áreas, como em ONGs ou em empresas, onde será contratado para fazer a formação de profissionais.”

Apesar de muitos acharem que ter o domínio do conteúdo é suficiente, o pré-requisito básico para quem quer seguir essa carreira é estar disponível para ajudar o outro. A mesma confusão é feita com o gostar ou não de crianças.

Se antes uma das maiores dificuldades era a diferença salarial entre a rede pública e privada, hoje, há outros pontos que pesam independente da escola. Salário depende muito da instituição. Os da rede pública diferenciam dos professores das escolas particulares. Entretanto, os problemas de ambas as instituições me parecem muito próximos, e uma das poucas diferenças entre elas, é o acesso a determinadas informações que, às vezes, o aluno de escola pública não tem. Os professores se queixam por não saberem muito bem como lidar com determinadas questões que surgem no contexto escolar, os alunos trazem problemáticas de contexto social para a escola.

Apesar de tudo, acredito ser professor em um país como o Brasil, onde a educação é pouco valorizada e defasada, e os salários, quase sempre, são baixos, não é esse bicho de sete cabeças. “Não é fácil abraçar a docência, mas acho que o professor que acredita naquilo que faz e trabalha não só a questão afetiva, mas tem consciência do que está fazendo, busca novas soluções para as problemáticas.

À necessidade de se repensar o trabalho didático e as relações professor-aluno, assim como propiciar o desenvolvimento e aperfeiçoamento profissional dos professores, no próprio contexto educacional, envolvendo todos os elementos que incluem o processo. Acreditamos que a mudança não depende apenas da conscientização do professor, mas principalmente do apoio técnico, pedagógico e administrativo, numa constante reavaliação e reformulação da prática educacional, buscando significado para seu ser e seu fazer.

Por parte do professor, deve ter a preocupação constante de atualizar-se, fazendo revisão

crítica de sua proposta pedagógica e de sua atuação, possibilitando aprendizagens significativas, favorecendo o desenvolvimento afetivo cognitivo e o sucesso do processo ensino-aprendizagem.

Portanto, deve-se promover o desenvolvimento desse professor, orientando-o e assistindo-o na organização de um ambiente escolar e no processo ensino-aprendizagem significativo para o educando. Assim, permitirá a formação de jovens que pensem, sintam e atribuam valores, como indivíduos criativos e produtivos, conscientes de seu próprio valor pessoal, interessados na condição humana, capazes de idealizar e visualizar o melhor, do qual fazem parte.

 

Comentário Eliana:  Acredito que o professor deve promover uma reflexões sobre os desafios da educação,  conviver com o diferente. Antes, o diferente em sala de aula era o pobre e o rico, agora, há uma diversidade de culturas, de religiões, há os portadores de necessidades especiais. A inclusão é inevitável. O professor terá que estar preparado para essa nova realidade, difícil mas presente. Conviver com a pluralidade de conhecimento, educar para pensar e promover um processo de educação interativa. Esse pensar é um pensar único, diferente, crítico, quando o professor está disposto a entender e respeitar a cultura e as dificuldades de cada um.

Bibliografia:

http://www.rieoei.org/deloslectores/752Godoy.PDF

http://recantodasletras.uol.com.br/ensaios/865226

http://www.histedbr.fae.unicamp.br/art15_21.pdf

http://www.universitario.com.br/noticias/noticias_noticia.php?id_noticia=7539http://wh

http://pedufba2009.blogspot.com/2009/02/importancia-do-professor.html