Padrão de Qualidade de Deus

1 Crônicas 9: 1

“…e Judá foi levado para o exílio à Babilônia, por causa da sua transgressão.

Amado(a),

Deus nos criou e deixou todas as condições ideais para sermos felizes e vitoriosos. Nós, homens, pecamos, transgredimos, fizemos e continuamos fazendo tudo diferente da forma como Deus planejou, por isso, sofremos as consequências da nossa desobediência aos padrões de qualidade do Criador.

Quem fabrica um equipamento dá as coordenadas para ele funcionar direito. Quem tem uma empresa, estabelece filosofias, escolhe empregados, dá as regras que considera eficazes para ter bom êxito em seus empreendimentos. É assim com tudo, inclusive e, principalmente, com Deus e toda a Sua criação.

Nós nos consideramos melhores e mais sábios que o Criador, por isso transgredimos, “furamos” as regras que garantem um ótimo e aperfeiçoado padrão de qualidade de Deus, o Grande “Gestor” do universo! Ele nos escolheu para sermos ostrabalhadores e, ao mesmo tempo, consumidoresdesta magnífica organização do Senhor chamada VIDA!

Usando termos empresariais, podemos afirmar que nessa organização, tanto quanto às organizações humanas na terra, “a qualidade do processo afeta a qualidade do produto“, isto é, se o processo de elaboração, execução e manufatura do produto não estiver de acordo com as normas de qualidade da empresa, ele sairá estragado e o consumidor será prejudicado. Por ex., você utiliza um pacote de leite de determinada indústria. Se abrir este pacote e houver detritos nele, se consumido, sua saúde ficará comprometida. Alguém, dentro da fábrica furou o esquema de vigilância sanitária, atuou com maus procedimentos que comprometeram o padrão de qualidade do produto, ou seja, o processo em algum momento foi falho e adulterou o resultado final.

Conosco é a mesma coisa. Nós somos os trabalhadores desta Obra e, simultaneamente, os próprios consumidores dos produtos que Deus entregou em nossas mãos para cuidarmos e administrarmos: a vida!  Nós próprios fazemos e nós próprios precisamos fiscalizar se o que executamos está de acordo ou não com as normas de qualidade estabelecidas por Deus a fim de  trazerem um ótimo resultado, um ótimo benefício para nós mesmos. Então, se furamos as regras, isto significa que não aplicamos o “know how” que Deus permite que conheçamos através da Sua Palavra, e, consequentemente, passamos a  consumir produto estragado, nós ficamos estragados, nós provocamos prejuízos para outros “consumidores” à nossa volta. Isso acontece quando optamos por transgredir os princípios do Senhor, Suas normas de qualidade e segurança.

A transgressão traz uma série de malefícios. Nós transgredimos quando furamos o controle de qualidade determinado por Deus, fazendo o processo inverso do que Ele planejou para nós. De que forma? Brigando, reclamando, criando vícios, não perdoando, comendo em demasia, bebendo em demasia, praticando o sexo promíscuo, alimentando sentimentos de mágoa, inveja, ódio, ira, idolatrias, ciúmes, inimizades, discórdias, perversões, compulsões, intrigas, fofocas, preguiça, rebeldia, rivalidades, ressentimentos, falta de misericórdia, falta de generosidade, indiferença, frieza, egoísmo, autocompaixão, rejeição, baixa estima, crueldade, violências, nos metendo em seitas, ocultismo, etc…Todas estas práticas ferem os princípios de Deus que regem a saúde mental, física, que comandam o bom andamento do comportamento humano o qual gera o produto final: produtos de boa ou má qualidade, responsáveis pela felicidade ou infelicidade do homem e do planeta em que ele vive!

Deus nos corrige, como um Pai zeloso e amoroso que é, permitindo que experimentemos nossos “maus frutos” para que saibamos que, se não primarmos pela excelência da qualidade,  perecemos! Se mantivermos o pior padrão de qualidade, ficamos cativos nos maus frutos e passamos a nos alimentar do que a “babilônia”, com seus opressores e verdugos têm para nos oferecer. No cativeiro, nós não usufruímos daquilo que é bom para nós. Nós nos alimentamos do que o tirano nos impõe, segundo a vontade dele, para nós. É quando sentimos que estamos vivendo um “verdadeiro inferno” em tais ou tais áreas da nossa vida. Ficamos privados da “boa, perfeita e agradável vontade de Deus” e à mercê da dor, das carências e dos sofrimentos do produto que nós mesmos criamos!

Amado(a), para obtermos os melhores produtos, os melhores resultados, existe um custo. Quanto melhor o produto, maior o custo. Esse custo chama-se obediência, submissão à Leis do Senhor. São leis espirituais e não podem ser quebradas. Elas, simplesmente, se cumprem. O padrão de qualidade do Senhor é alto! Não é qualquer um que se adequa a ele. Em compensação, o produto final é a excelência de Deus para a vida do cristão, do verdadeiro convertido, porque o Senhor nos diz:

“…o reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele.” (Mateus 11: 12)

A responsabilidade é de cada trabalhador, individualmente. Quer o melhor resultado? Pratique a melhor qualidade. Invista no Reino! Leia, ore e pratique a Palavra de Deus, na íntegra.

Amado(a), Jesus está te dizendo hoje o que Ele disse a Seus discípulos:

“Ora, se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes.” (João 13: 17)

Vamos praticá-las! – fonte