O Ódio nas Crianças

Não dá mais para esconder, isto precisa ser mostrado ao mundo que anda se ocultando entre as rochas e as árvores, fingindo que não faz parte desta coisa estranha, que cresce a olhos vistos em uma região que é um verdadeiro e curtíssimo estopim, para uma terceira grande guerra mundial. Em uma atitude antagônica às suas declarações amistosas em inglês, a Autoridade Palestina – AP vem usando todas as estruturas sob seu controle para instigar um violento e cruel ódio contra o povo israelense, demonizando-o e provocando todo tipo de violência contra ele.

Criança palestina

Parabenizando e presenteando terroristas, estes últimos são apresentados como verdadeiros heróis para o povo palestino, o qual é orientado para a destruição dos israelenses como uma garantia de fama eterna. O presidente da AP presenteou a família de um terrorista que atacou as forças do Exército de Defesa de Israel, com dois mil dólares. Enfim, todos os palestinos que obrarem com violência contra Israel, são tidos como verdadeiros heróis por parte do líder da AP.

É impressionante a maneira como as crianças palestinas são induzidas à violência contra os israelenses. Um canal de TV árabe mostra em um programa infantil, o TV Criança, uma entrevistadora conversando com uma criança de aproximadamente cinco ou seis anos de idade, perguntando a ela se conhecia os judeus. A criança responde que sim, e ela continua a entrevista perguntando se gosta deles, obtendo resposta negativa. A outra pergunta mostra o quanto a criança está envenenada contra os judeus, pois o porquê de não gostar deles é “porque eles são macacos e porcos”. Na seqüência, em uma roda de crianças que participam do programa, foi perguntado a Rugaya o que ela havia aprendido com o programa de hoje, e mais uma vez, a resposta da criança mostra o ódio implantado em seu coraçãozinho: “que os judeus são o povo da deslealdade e da traição”.

Em outro quadro, o entrevistador pergunta a uma jovem de doze ou treze anos porque ela achava o martírio belo, e ela dizia que o martírio é belo e que todo mundo anseia por ele, como a melhor forma de se alcançar o paraíso. A pergunta seguinte tem uma resposta arrasadora, pois a criança foi confrontada com a possibilidade de escolher entre a paz e direitos plenos aos palestinos contra o martírio, e ela optou pelo martírio, por considerá-lo melhor. Mais à frente, outra criança de seis anos grita com toda a força de seus jovens pulmões: “O juízo final não virá até que os mulçumanos lutem contra os judeus, os mulçumanos vão matá-los e destruí-los e eles vão se esconder atrás de pedras e árvores!”. A Declaração Universal dos Direitos das Crianças, da Assembléia Geral da ONU em 1959 diz que a criança deve ser educada dentro de um espírito de tolerância, amizade entre os povos e paz. Que Deus tenha misericórdia de todas elas.

  • Emilio

    Será que as crianças israelenses aprendem com os pais a gostar dos Palestinos? Aquela área INTEIRA está infectada pelo ódio, ambos os lados.

    • É, de fato, a tão sonhada paz naquela região somente se estabelecerá com o retorno de Seu Senhor absoluto. Podemos verificar nos registros bíblicos que desde os primórdios das nações naquele lugar, isto já estava prescrito, senão vejamos: "Disse-lhe o Senhor: 'Duas nações estão em seu ventre, já desde as suas entranhas dois povos se separarão; um deles será mais forte que o outro…" Gênesis 25:23. Quem quiser esperar para ver…

  • LIBERTAÇÃO

    Acho que é um israelita que escreveu ou não conhece o povo palestino

  • jorge

    Matéria escrita por um judeu rodeado por infraestrutura básica, cidadania e direito a fazer planos.
    Qual a visão de uma criança rodeada pela miséria, sem cidadania e sem direito a fazer planos?