O Mistério de Irma

– Minha mãe sempre diz que eu sou cavalo de Ogum! – A informação foi dada nem ele mesmo sabia por quê. A bela mulher cravou-lhe os olhos e falou com uma voz rouca que não disfarçava um leve sotaque:
-Adoro Ogum, orixá guerreiro!
-Ah! Eu também gosto muito – mentia para agradar, não tinha afinidade alguma com nenhum orixá – Só não sei se gosto de ser cavalo de alguém…
-Bobinho é só um modo de falar. Os antigos diziam que os orixás cavalgavam seus médiuns, por isso a associação com o cavalo.
Benê não estava ouvindo nada, observava a linda mulher a sua frente. Negra, alta de corpo perfeito contava ainda com dois atrativos que o surpreenderam, os olhos de um verde infinito e os cabelos que caiam em cachos louros pelos ombros.
Fazia apenas duas horas que a conhecera. Sua mãe fizera de tudo para que ele fosse ao terreiro da mãe Nininha com ela, mas ele não gostava. Cada vez que ia somente ouvia sermões – Desenvolva! Acerte sua vida! Seus orixás querem trabalho! – Não queria. Hoje não. Alegou compromissos e mesmo sem ter marcado nada com ninguém apareceu no salão.
Como era de se esperar não havia nenhum conhecido. Sentou-se junto ao balcão e tomando uma cerveja, passou a apreciar os casais que dançavam. De repente um samba explodiu nas caixas de som. No meio do salão ela surgiu, negra, linda, loura, suntuosa. A partir desse momento não conseguiu mais despregar os olhos daquela visão. O samba parecia ter sido composto para ela, cadenciando cada requebro do quadril generoso. Por duas vezes ela piscou-lhe deixando-o embasbacado.
Apresentaram-se ao final da música. Irma, esse era o nome da linda moça. Sem ter idéia de como o assunto começou Benê contou que estava ali fugindo de ir ao terreiro.
-Você não devia fazer isso meu querido! Se é obrigação temos que cumprir! – o sotaque o deixava em suspenso cada vez que ela falava. De onde seria? – Eu sou Yalorixá e se estou aqui hoje me divertindo um pouco é porque não tenho compromissos no terreiro.

-Eu gosto, acho bonito, mas não consigo acreditar nesse negócio dos santos virem a terra para ajudar alguém, parece conversa fiada.
– Querido você está muito enganado. Se eles não estivessem sempre junto de nós, você acha que estaríamos aqui em um salão de baile discutindo a respeito deles sem ao menos nos conhecer direito?
Passaram duas horas conversando, Benê tinha certeza que sairiam dali para o motel. Ledo engano a moça só queria falar de santos, orixás, obrigações. Na hora da despedida ela o surpreendeu, queria caminhar. E lá se foram pelo caminho sem mudar o assunto.
De repente ela parou:
-Vou ficar por aqui!
-Como? Aqui não tem nada é só um terreno abandonado…
-Mas é aqui que eu fico meu querido! Correu para o descampado, rodopiou fortemente e gritou, um grito profundo e cortante, antes de sumir no ar – Heeei!
Benê ajoelhou-se no meio da rua e entendeu tudo, tinha passado algumas horas com Iansã guerreira. De sua garganta uma louvação rouca surgiu:
– EPARREI OYA! SALVE MINHA MÃE!