O Leite Usurpado

Percorrendo as minhas lembranças na década de 1950 e alguns anos anteriores, vamos encontrar a motivação que me levou a escrever os retalhos de minhas memórias. Situações inusitadas para os mais jovens  urbanos e provavelmente motivo de saudade para os contemporâneos rurais.

Do alpendre da casa da fazenda podiam-se ver os currais, alguns pastos como o piquete, parte da invernada e uma pequena área onde era plantado um mandiocal. Ah! Um pé de eucalipto bem na esquina da lavourinha, lindo, enorme, que balançava, balançava ao vento… Ali tinha também aboboreiras, cana de açúcar e batata doce. Logo acima, uma pequena lavoura de café que ia até o terreiro e a tulha. Era aí onde as frutinhas eram despejadas para começar o processo de secagem e armazenagem do café em grão.

Nos fundos da casa, rodeando o quintal, havia outras divisões de pasto, todas com seus respectivos nomes, mangueiro  e pastinho, onde eram soltos os animais da lida diária, os cavalos e éguas de serviço.

Alguns degraus separavam a casa do curralzinho que ficava bem debaixo de algumas janelas inclusive uma do quarto dos meus pais, de onde se viam toda a movimentação da lida com o gado. Os currais em número de dois, eram cercados de tábuas e se permitiam passagem entre eles por porteiras. Adiante, após o primeiro curral ficava o barracão que o papai chamava de casa, onde os bezerros passavam a noite separados de suas mães. Ao lado do barracão, uma varanda onde se guardavam as tralhas mais pesadas da fazenda, inclusive o carro de bois.

Todas as tardes impreterivelmente, as vacas paridas, ou seja, as que ainda estavam amamentando, eram recolhidas junto com os bezerrinhos em um dos currais onde era feita a apartação que era separar as vacas de suas crias. Esse procedimento era para que a vaca pudesse reservar o leite produzido durante a noite, para que no dia seguinte, bem cedo, fosse ordenhada, ou seja, extraído o leite que por direito pertencia ao bezerrinho. Este, coitadinho, ficava preso no curral, berrando… berrando, sentindo falta da mãe ou com fome mesmo, quem sabe? A vaca, do lado de fora,em pleno exercício do instinto maternal, mugindo, como que externando indignada a ausência do filhote.

Bem, o leite usurpado da vaca virava queijo, manteiga, doce, requeijão da melhor qualidade, consumido pela família ou vendido na cidade. Essa era uma tarefa que mamãe sozinha exercia muito bem! Não só porque a produção era pequena, mas principalmente porque era muito caprichosa, sempre com muito cuidado, e higiene, dentro dos padrões da época. Nem por isso deixavam de ser deliciosos e muito procurados!

O queijo, trabalhado artesanalmente, o tipo meia cura, aquele amarelo e liso por fora, sem imperfeições, tinha a cor creme por dentro. Era macio, rendado e delicioso! Ao corte, podia-se ver a manteiga escondida nas pequenas cavas.

Durante o processo de manufatura, havia um momento ímpar para as crianças, eu adorava! A massa, isto é, a qualhada era colocada nas fôrmas, espremida, “espinicada,” em seguida, mais massa e repete o processo de espremer para dar liga e o queijo ficar uniforme. No momento em que a qualhada era “espinicada” e espremida, o soro saia carregado de pequenas partículas de massa. Era um soro esbranquiçado e mais espesso que aparávamos em nossas canequinhas! Era um alimento rico e muito saboroso, um momento que esperávamos com ansiedade!

Em tempos de temperatura mais elevada, às vezes, o queijo fresco ainda na fôrma ou aquele de um dia, sofria alteração e aumentava de volume. Embora contrariada, mamãe tratava de consertar o dano.

Este queijo inchado era transformado em queijo cozido tipo mussarela. O manuseio é simples: fatiar o queijo numa vasilha com água bem quente para cozinhar; quando a massa estiver no ponto de modelar, pega-se uma porção, trabalha-a bastante com as mãos para eliminar o excesso de água e começa a dar a forma desejada. Mamãe dava o formato de cabacinha. Quando os queijos inchavam… a saída pra aproveitar, era ter mais trabalho. Eu então adorava! Aquele queijinho de cabacinha era uma delicia!  Divertido era comê-lo desfolhado até o final!

Hoje aos 70 anos, enquanto exercito minha memória buscando os fatos vividos enquanto criança, recordo com saudade a vida saudável, despreocupada, tranqüila, tanto que chegava a ser monótona, porem feliz!