O Documentário “Marley” e o Surgimento do Reggae

Documentário "Marley" e o Surgimento do Reggae

Documentário “Marley” e o Surgimento do Reggae

A lenda que se conta é que ninguém sabe de verdade como o ska virou reggae – se a música se desacelerou em um verão particularmente quente, e ninguém aguentava dançar muito agitado, ou se a própria maconha bateu tão forte que o ritmo precisou se adequar ao efeito da erva. O fato é que fazer um apanhado geral da música no país é complicado, não há registros e os relatos dos sobreviventes não condizem, e não seria diferente em relação a um ícone como Bob Marley.

Kevin Macdonald, diretor escocês, precisou de 144 minutos para juntar fragmentos que recontassem a vida do cantor e guitarrista mestiço que popularizou o reggae e o rastafarianismo pelo mundo. É um esforço trabalhoso e por vezes exaustivo de acompanhar o excesso de fotografias e depoimentos que foram coletados para suprir a falta de arquivos, muitos deles negociados individualmente com cada dono desses materiais. Segundo MacDonald, não há vídeos da primeira década de carreira de Marley.

Ainda assim, MacDonald, que começou no gênero com documentários como One Day in September e Touching The Void, e só depois migrou para a ficção, com filmes como O Último Rei da Escócia e Intrigas de Estado, conseguiu formular uma narrativa fundamentada e coesa sobre as condições que ajudaram Robert Nesta Marley, filho de um inglês branco com uma jamaicana negra, a se tornar o rei do reggae. O garoto tornou-se mundialmente conhecido por seu ativismo social e político, por sua música e pelas famosas frases de Bob Marley.

O documentário Marley está longe de ser um arquivo definitivo, embora o filme, apoiado pela família do cantor, seja vendido como tal. Há espaços vazios de contexto que MacDonald prefere manter para aumentar a importância do documentado — havia outros grupos musicais em Kingston na época e outros artistas jamaicanos bem sucedidos em Londres, não só Marley e os Wailers — além de alguns conflitos passarem em branco, como o fato de Bob não ter convidado os parceiros de banda para seu casamento.

Falhas e omissões costumam cercar qualquer documentário sobre lendas que se tornam maior que a realidade, e sem dúvida Bob é uma dessas lendas. A versão que o filme dá para a transformação do ska em reggae é uma das mais coerentes.