Melhor opção para Comprar um Imóvel: Financiamento ou Consórcio?

Para realizar o sonho de comprar um imóvel, mesmo que você não tenha todo o valor disponível, existem duas opções: o financiamento bancário e o consórcio imobiliário.

Consórcio Imobiliário

O mercado de consórcio de imóveis vem se consolidando nos últimos anos como uma opção interessante para alguns públicos específicos. Normalmente, quem procura essa alternativa de financiamento está planejando a aquisição de um imóvel para médio ou longo prazo, e quer fugir das altas taxas de juros praticadas pelo mercado.

É uma forma de autofinanciamento que tem chamado a atenção: trata-se de um grupo fechado de pessoas se une com a finalidade de formar uma poupança destinada à compra – no caso, de imóveis.  Todos participam com uma contribuição, calculada de acordo com o valor contratado do prêmio. As parcelas pagas ao grupo destinam-se, periodicamente, a contemplar seus integrantes, com crédito que será utilizado na compra do bem indicado em contrato, até que todos recebam o montante contratado. A reunião dessas pessoas é gerenciada pela administradora de consórcios.

Quem for premiado terá um tempo determinado em contrato para a escolha da compra de um imóvel residencial, para a reforma do imóvel residencial que já possuir ou para a construção em terreno de sua propriedade.

Qual das alternativas é a mais vantajosa?

Isso depende do seu perfil. Quem está com pressa costuma preferir o financiamento, que não depende de contemplação por lance ou sorteio. Aqueles que podem esperar optam pelo consórcio, que não possui juros, apenas taxa de administração – que costuma ser bem menor do que os juros cobrados pelos bancos em financiamentos imobiliários.

Todos os meses, o grupo paga o valor do prêmio (ou contratado) para um ou mais consorciados. Ou seja, o participante não precisa comprovar renda nem tem juros incidindo sobre a prestação. Já no financiamento, o banco empresta o dinheiro e, em cada prestação, estão embutidos os juros equivalentes ao valor cedido.

Em todos os casos, vale a pena comparar e cotar bastante as taxas praticadas pelo mercado. Afinal, mesmo que para realizar um sonho, dívidas de longo prazo podem se tornar grades dores de cabeça.