Jesus e a Humanidade

Jesus e a Humanidade

Jesus e a Humanidade

Jesus não criou qualquer doutrina ou sistema, Ele simplesmente tornou a Sua vida o modelo e guia para a humanidade a fim de que ela possa se humanizar, adquirindo a expressão superior.
Naquele tempo, e ainda hoje, o homem tem agido pela violência, prepotência e presunção, dominador exterior, contorcendo-se, porém, na sua fragilidade, nos seus conflitos íntimos e perecibilidade. Jesus-Homem é a lição de vida que haurimos no Evangelho como convite sublime à edificação de nós mesmos. Para que após os Seus exemplos surja um homem diferente: humilde, simples, submisso a Deus e forte na sua perenidade espiritual.

Enquanto os grandes pensadores de todos os tempos estabeleceram métodos e sistemas de doutrinas, Jesus sustentou, no amor, os pilares da ética para a felicidade. Não se utilizou de sofismas, nem de silogismos, Nunca demonstrou comportamentos excêntricos ou fórmulas complexas a exigirem altos níveis de inteligência ou de astúcia, do ser. Referiu-se a tudo o que é conhecido, embora revestido de roupagens novas.

Com um insignificante grão de mostarda, ensinou sobre a fé; se valeu de redes de pesca e de peixes, para os imperecíveis exemplos de trabalho; falou da semente caindo em diferentes tipos de solos, para com isso demonstrar a diversidade de sentimentos humanos ante a luz da Sua palavra. O “Sermão da montanha” é o maior código de justiça, de amor e de verdade, e Jesus é a personagem histórica mais identificada com o homem e com a humanidade.

Toda a Sua Doutrina é pela humanização, erguendo o ser do instinto para a razão e da razão para a angelitude. É o Homem que mais se identifica com Deus. Nunca se Lhe refere como se estivesse distante, ou desconhecido, ou temível. Sempre em forma de Amor, amável e conhecido, próximo das necessidades humanas, compassivo e amigo. Reformula o conceito mosaico e atualiza- o em termos de conquista possível, aproximando os homens d’Ele pela razão simples de Ele estar sempre próximo das pessoas que se recusam a doar-se-Lhe em amor. Não adorna o “reino” de quimeras nem o torna pavoroso; antes, desperta nos corações o desejo de consegui-lo na realidade da transcendência de que se reveste. Não maldiz o mundo, abençoa-o nas maravilhosas paisagens nas quais atende a dor, e mergulha-se em meditações profundas sob o faiscar das estrelas luminosas do Infinito.

Jesus, na humanidade, significa a luz que a aquece e a clareia. Portanto, renasce e busca-O, na multidão ou no silêncio da reflexão, fazendo uma nova leitura das Suas palavras, despidas das falsas interpretações. Segue-O na simplicidade dos convites que Ele te endereça no conteúdo das Suas mensagens, ainda vivas quão ignoradas. Rompe o frio da tua indiferença e faze-te um pouco imparcial, sem reações pré-estabelecidas, facultando-Lhe penetrar-te o coração e a mente. Na tua condição humana necessitas d’ Ele, a fim de cresceres, saindo dos teus limites para o infinito do Seu amor. Jesus veio ao homem para humanizá-lo, sem dúvida. Cabe-te, agora, esquecer por momentos das tuas pequenezes e recebê-Lo, assim, cristianizando-te plena e totalmente.
Resumo de mensagem psicografada
Autor: Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Franco. Livro: Jesus e Atualidade