Informática na Educação

As diversas mídias que  se integram por todo o percurso da evolução da Educação a Distância em nosso pais, e analisarmos se é possível ainda hoje encontrarmos tantos educadores alheios e resistentes a essas mudanças.

Atualmente, vive-se numa era onde à cada dia, as mudanças tecnológicas têm surgido com inúmeras especializações e infinitas informações. E essas mudanças mundiais influenciam também na educação.
A informática na educação é uma realidade nas escolas, porém, é necessário que as mesmas estejam preparadas para enfrentar essa nova realidade, ou seja, é preciso preparar educandos conscientes de que precisam ter capacidade de aprender a utilizar essa tecnologia de forma a favorecer a articulação das informações entre as disciplinas.
Para se estar preparando esses alunos, o professor deverá estar apto para tal função, ou seja, precisa ser capacitado. Segundo MEC (1998, p. 51) “A integração do computador ao processo educacional depende da atuação do professor, que nada fará se atuar isoladamente…”
Não adianta a aquisição de excelentes equipamentos tecnológicos, se os professores não forem preparados para utilizar esses equipamentos. Quando o professor assume o papel de mediador dessa nova tecnologia, ele deverá se empenhar em busca de um processo de formação continuada. (MEC, 1998)
Existem justificativas para a introdução do computador no âmbito educacional que são determinadas pelo grau de utilização dessa tecnologia entre os professores. Atualmente, o uso da informática nas escolas tem sido muito discutida por estudiosos da educação. Quando se tem um acompanhamento mais individualizado, é possível acompanhar o desenvolvimento do aluno ao longo do processo educativo. É importante buscar resultados mais satisfatórios do que os que comumente tem-se encontrado nas atividades comuns e rotineiras das salas de aula.
A escola precisa garantir uma nova transformação do ensino dos dias atuais, para que se possa garantir uma pré-seleção dos programas e materiais necessários para a construção do saber. É importante que as salas de aula estejam preparadas para atender a demanda que a atual sociedade exige. Não adianta adquirir equipamentos de alta tecnologia se o espaço não for apropriado e se o professor não estiver preparado para dar proporcionar aos alunos a mediação entre esse mundo informatizado. Segundo MARQUES (1999, p. 172) “Na sociedade da informação, as novas articulações (…) exigem (…) uma sala de aula constituída…”
A educação deve estar embasada na informação, no conhecimento e no aprendizado e a informática é mais uma ferramenta que favorece o caminho do saber, representando um importante papel no cenário da educação, porém, não deve ter uma finalidade em si mesma, e sim ser uma ferramenta auxiliar no processo de ensino-aprendizagem. Cabe ressaltar que a informática propicia aos alunos conhecerem o mundo tecnólogico e avançado da sociedade em que se vive atualmente.

…o caminho mais curto e eficaz para introduzir nossas escolas no mundo conectado passa pela curiosidade, pelo intercâmbio de idéias e pela cooperação mútua entre todos os agentes envolvidos no processo. (FAGUNDES, 2004, p. 24)

Baseado em LOPES (2002) é possível que atividades que contenham conhecimentos básicos do computador favoreçam o desenvolvimento das áreas motora, cognitiva e afetiva desde que sejam articuladas. Hoje em dia, é possível a criança construir seu saber de forma interativa juntos aos computadores e para que isso ocorra, é necessário a construção de programas que sejam interdisciplinares. Está faltando maiores investimentos no sistema de ensino para que a criança possa ser estimulada a produzir textos utilizando o computador.
Segundo LOPES (2002, p. 134) “A informática deve ser utilizada como um recurso a mais e integrada a outros.” Não pretende-se aqui, articular que o computador deve ser o único recurso a ser utilizado pelo professor, porém, busca-se enfatizar a importância do educador estar utilizando-o de forma dinâmica e eficaz.
É muito importante que a criança domine o aprendizado da computação, pois, em breve, a informática dominará todos os segmentos do mercado mundial, e logo, a escola também será influenciada pela evolução tecnológica. Portanto, os Projetos Políticos Pedagógicos deverão ser reformulados com base na tecnologia mundial, como afirma BRASIL (1998):

É importante frisar que o uso do computador na escola só é eficaz quando norteado por (…) projeto pedagógico…(p. 80)

O uso da informática deve ser visto como um recurso adicional, pois, segundo OLIVEIRA (1997:127) “…este recurso pode ser um instrumento complementar ao trabalho do professor em sala de aula.” O computador pode ser utilizado como recurso de aprendizagem no desenvolvimento de atividades na sala de aula, lembrando que o mesmo não substitui a presença do educador.
Segundo OLIVEIRA (1997, p. 144) “…falta de definição do que é informática educativa faz com que haja uma compreensão equivocada…” Muitos educadores desconhecem as inúmeras formas de se utilizar o computador nas suas aulas.

Bibliografia

O Educador diante da inserção da informática na educação por  Kelly Figueiredo

Pensado em quantas tecnologias utiliza em seu dia-a-dia? Quais tecnologias você utiliza em sei dia-a-dia? Quais tecnologias você utilizou hoje? Quais mídias? Como as novas mídias interativas influenciam no seu dia-a-dia?

– Diariamente fazemos uso de inúmeras tecnologias. Uso celular, computador, televisão, fax, internet, roteador. Microondas, internet, computador, celular, telefone fixo, telefone sem fio, DVD, CD, televisão. Na área de mídia  o jornal online, assistimos vídeos online. Essas mídias facilitam nosso dia-a-dia, nos poupam tempo, dinheiro, com isso podemos absorver mais informações pois até compras pode ser feita online ou via fone.

– Analise as principais características das abordagens instrucionistas e comparando-as com as práticas de sala de aula, mesmo quando não existe a presença do computador. Podemos dizer que diferentes pesquisas vêm apontando nos últimos anos deficiências encontradas nas aulas. Críticas são formuladas na identificação de problemas com a metodologia e também com aulas muito formais e abstratas que não estimulam a participação e o interesse dos alunos por temas do ensino. Aulas formais e abstratas geralmente fazem uso de abordagens que privilegiam aspectos instrucionistas, ou seja, a mera transmissão de informações, a repetição e a memorização, deixando o aluno na posição predominantemente passiva, sem um papel mais ativo na sua aprendizagem .

 

O que se busca é uma alternativa para superação dos problemas mencionados, que altere os aspectos de desinteresse crescente manifestado pelos alunos nessa relação de conteúdos escolares fragmentados, descontextualizados e pouco atraentes.

Diante dos extraordinários recursos que as modernas tecnologias colocam a serviço da cultura de massa, os procedimentos didáticos que o professor normalmente dispõe em sala de aula tendem a perder sempre em brilho e em capacidade de motivação. Daí a exigência de trabalhar com critério (fundamentação teórica) as novas tecnologias de informação e comunicação a favor de uma aprendizagem mais significativa para o aluno. O computador pode ser utilizado na educação como uma máquina de ensinar (abordagem instrucionista), apenas informatizando os métodos tradicionais de ensino, ou como ferramenta pedagógica em prol do desenvolvimento da aprendizagem (abordagem construcionista). Na abordagem construcionista de uso do computador ocorre maior contribuição para a evolução cognitiva, no qual o próprio aprendiz constrói algo ou resolve os seus problemas por intermédio do computador que, nesse caso, atua como ferramenta.

Algumas idéias de Seymour Papert e Paulo Freire sobre a situação e o futuro da escola, permeada pelas tecnologias, e uma breve contextualização sobre a implantação da Informática Educativa nas escolas públicas no Brasil.

Seymour Papert e Paulo Freire

–          Seymour Papert, matemático nascido na África do Sul e radicado nos EUA atualmente trabalha no MIT (Instituto de tecnologia de Massachusetts, nos EUA). Estudo por quatro anos com Jean Piaget em Genebra, No Centro de Epistemologia Genética, ë um dos programadores da linguagem de Programação Logo para computadores e seu livro mais recente, The Children’s Machine, de 1993 analisa diferentes formas de relacionamento computadores no ensino aprendizagem.

–          Paulo Freire, pernambucano, Professor emérito da Puc/SP, é o renomado criador do método de alfabetização popular empregado em vários países do mundo. Participou do governo João Goulart, foi considerado subversivo e exilado em 1964, só podendo voltar ao Brasil em 1979.  Foi um dos fundadores do PT e secretário de Educação da Prefeitura de São Paulo.

–          No seu livro Pedagogia da Autonomia Paulo Freire se refere às tecnologias dizendo, “Nunca fui ingênuo apreciador da tecnologia: não a divinizo, de um lado, nem a diabolizo, de um outro. Por isso mesmo sempre estive em paz para lidar com ela. Não tenho dúvida nenhuma do enorme potencial de estímulos e desafios à curiosidade que a tecnologia põe a serviço das crianças e dos adolescentes das classes sociais chamadas favorecidas. Não foi por outra razão que, quando secretário da educação da cidade de São Paulo, fiz chegar à rede das escolas municipais o computador. Ninguém melhor do que meus netos e minhas netas para me falar de sua curiosidade investigada pelos computadores com os quais convivem”.