Indenização Milionária

Até a bem poucos anos atrás, pouco ou quase nada se ouvia falar sobre escândalos sexuais envolvendo os padres da Igreja Católica, e ainda muito menos se falava sobre a “opção sexual” de alguns deles, pois era público e notório o dogma do seu celibato.

Quando moço, eu estudava em um colégio de padres, aqui na cidade de Belo Horizonte, e nunca tinha ouvido sequer qualquer comentário a respeito deste assunto, mesmo que desconfiássemos de algumas figuras. Pois muito bem, a nossa atualidade nos traz notícias extremamente desagradáveis, e por que não dizer mesmo hediondas, que agora brotam como ervas daninhas no meio do mato. Nos Estados Unidos da América, a Igreja Católica tem sido alvo de indenizações milionárias, conseqüentes de processos judiciários movidos por vítimas de abusos sexuais, cometidos por membros daquela instituição. Somente em cinco estados a noroeste do país, a igreja pagou perto de US$ 166 milhões.

O que mais incomoda, é que entre as vítimas dos desalmados, quase quinhentas pessoas, a maioria é indígena que teria sido abusada em escolas dirigidas pelos padres. Curioso, é que os pagamentos são feitos acompanhados de missivas da igreja, pedindo perdão às vitimas e seus familiares, na intenção inócua de apagar de suas vidas o estrago feito. 140 padres estão envolvidos nesta sórdida história. A Arquidiocese de Los Angeles realizou um acordo, também milionário, para pagar US$ 660 milhões às vitimas, intentando abafar a publicação daquelas ocorrências.

Para acobertar muitas outras situações idênticas, a direção da igreja remove os causadores da vergonha de suas congregações, mas não os despede, ao contrário, os envia para outras localidades distantes, onde muitas vezes o fato se repete. Estes fatos, na maioria das vezes, são resolvidos com acordos feitos nos tribunais, e o assunto morre por ali mesmo, com as vítimas concordando com as indenizações, as quais definitivamente não reconstituem a inocência e a dignidade perdida daquelas pessoas.