Implante Dentário

Implante Dentário

Implante Dentário

Neste artigo inicial, vamos discorrer um pouco sobre uma dúvida muito comum acerca do implante dentário, vamos dar a conhecer um pouco da história recente da implantodontia, bem como o passo a passo deste tipo de intervenção, desde o dia da primeira consulta de diagnóstico, até ao dia em que o paciente volta a sorri normalmente.

A dúvida muito comum existente acerca desta temática, prende-se com o facto de muitas pessoas confundirem um implante dentário com as próteses dentárias. Pois bem, o implante não é um dente artificial mas sim o suporte para este. Em odontologia/implantodontia, o dente artificial dá-se pelo nome de prótese. O implante é apenas o seu suporte, um objecto de pequenas dimensões, feito em titânio puro, que com recurso a uma pequena intervenção cirúrgica de pequena complexidade, é inserido na estrutura óssea da mandíbula do paciente. Só após esta cirurgia, e após o implante estar devidamente integrado com o osso da mandíbula, é que se coloca então a prótese (dente artificial).

Os procedimentos comuns numa intervenção do gênero, em casos simples (implantes dentários unitários) são os seguintes:

  1. realização da consulta de diagnóstico para averiguar as necessidades.
  2. marcação da consulta para realizar a cirurgia.
  3. no dia da cirurgia, o primeiro passo é anestesiar localmente o paciente.
  4. em seguida faz-se um pequeno corte na gengiva para que o osso fique visível.
  5. com o osso visível, perfura-se então o mesmo com um objecto preparado para o efeito.
  6. em seguida é então colocado o implante e volta-se a cozer a gengiva.
  7. o cirurgião passa um plano de higienização e de medicação ao paciente.
  8. aguarda-se cerca de 4 meses para que o implante se integre com a estrutura óssea.
  9. após esse tempo, pode então ser colocada a prótese sobre o implante.

De referir ainda que, esta intervenção, no mundo da odontologia/implantodontia, é hoje considerada um processo muito simples, e ultimamente têm surgido muito desenvolvimentos, que permitem, entre outras coisas, que não seja necessário realizar o corte gengival, ou que o período de ósseo integração seja mais curto.

Esta técnica teve como grande impulsionador um investigador de odontologia, que a meio do século passado descobriu que o titânio era um material compatível com o nosso organismo, e desde aí, a odontologia nunca mais foi a mesma, e após anos de estudos, hoje, os implantes dentários, têm uma taxa de sucesso a rondar quase os 100%.

Em artigos futuros, vamos abordar outras temáticas relacionadas com a implantodontia, que costumam gerar muitas dúvidas, nomeadamente relativamente aos preços dos implantes, as necessidades de fazer enxertos ósseos, os tipos de próteses e implantes, etc.

Fique atento. Até à próxima.