Estatuto Do Idoso – E O Desrespeito Aos Seus Direitos

Não é novidade para ninguém que nas últimas décadas tem havido um aumento da expectativa de vida da população mundial; e esse aumento, é claro, também se faz presente aqui no Brasil. Mas se por um lado essa longevidade permite às pessoas viverem mais, por outro o desprezo e o descaso de muitos para com esse importante grupo social, torna esse ganho em longevidade uma experiência muito amarga.

Estatuto do idoso

Estatuto do idoso

Por que os idosos continuam sendo desrespeitados?

Infelizmente todos os dias ouvimos relatos de idosos que, mesmo após a implantação do ESTATUTO DO IDOSO, continuam sendo desrespeitados, tanto pelos órgãos públicos e privados prestadores de serviços – especialmente nas áreas de saúde e transporte público – quanto por parte de seus familiares.

É lamentável saber que muitos idosos, em vez de receberem carinho, atenção e respeito de todos os seus familiares, continuam sendo vitimas de agressões físicas e verbais, ou são abandonados em asilos onde acabam sendo esquecidos. É triste constatar que dentro do seio familiar o abuso financeiro ao idoso ainda continua sendo uma prática comum, onde muitos avôs e avós são obrigados a fazer empréstimos vultuosos para seus netos e filhos, o que compromete bastante o próprio orçamento familiar. Isso sem contar outras formas de maus-tratos que ocorrem concomitantemente com os maus-tratos físicos e verbais, como a negligência doméstica que se caracteriza pela omissão em providenciar os cuidados devidos aos idosos dependentes, tais como a alimentação, a higiene, o vestuário e os medicamentos, dentre outros cuidados.

É inadmissível que os nossos idosos, que tanto contribuíram ( e ainda contribuem ) para o crescimento econômico, social e cultural desse país, ainda sofram agressões à sua dignidade e aos seus direitos já regulamentados pelo Estatuto do Idoso.

Como garantir o cumprimento do estatuto do idoso?

Diante da gravidade desse quadro, concluímos, portanto, que muita coisa ainda precisa ser feita, como, por exemplo, uma grande mobilização social em defesa dos idosos. Daí a importância de criarmos uma cultura que entenda o processo de envelhecimento como uma conquista e não como um castigo ou uma sentença de debilidade e isolamento social. E precisamos principalmente mostrar aos mais jovens que a terceira idade é formada por pessoas que pertencem a várias categorias, e que é indispensável construir uma sociedade mais consciente onde elas possam ser tratadas com respeito e dignidade. Sim, os mais jovens precisam entender isso, afinal, os jovens de hoje se tornarão os idosos de amanhã!

Sem dúvida, jamais devemos esquecer que os idosos são cidadãos, e como cidadãos, eles têm o seu direito Constitucional garantido, devendo por isso ser tratados com grande respeito e carinho tanto pelo Poder Público, quanto pela Sociedade como um todo e, principalmente, por seus familiares.

Portanto, agora é a hora de refletirmos sobre nosso papel enquanto sociedade sobre essa questão que envolve o desrespeito para com o estatuto do idoso, e as suas terríveis conseqüências; pois, como já dito, é nosso dever zelar pela dignidade dos nossos idosos, protegendo-os contra qualquer tratamento violento, desumano ou constrangedor.