Depressão Na Terceira Idade – Como Conseguir Superá-la?

O ligeiro aumento da população idosa é hoje praticamente um fenômeno quase universal, e pesquisas mais recentes realizadas em vários países comprovam esse fato. Sabe-se que nessa fase da vida o nosso corpo já não funciona com a mesma energia de antes; olhamos de repente no espelho e vemos em nós aquelas terríveis marcas de expressão, além dos cabelos grisalhos, que revelam que agora já fazemos parte do grupo da terceira idade.

E justamente por não saberem como lidar com essa nova realidade, é que, a cada ano, milhões de pessoas apresentam algum tipo de depressão – que é, segundo inúmeras pesquisas, a doença mental mais comum no idoso, e que não escolhe sexo ou classe social.Trata-se, portanto, de uma séria questão de saúde pública, com a qual todos, sem exceção, deveriam se preocupar, não só os governos e profissionais de saúde.

A verdade é que desde que nascemos, aprendemos a nos adaptar às mudanças físicas, psíquicas e sociais que a vida sempre nos impõe; mas para a maioria de nós, chegar na terceira idade e adaptar-se a essas mudanças continua sendo um grande desafio . Talvez a principal razão é que chegamos nesta fase da vida sem estarmos devidamente preparados para envelhecer e encarar a velhice também como parte desse processo gradual e contínuo.

idosaPrincipais sintomas da depressão na terceira idade

Identificar um idoso com depressão nem sempre é uma tarefa fácil, uma vez que fatores psicológicos, biológicos e sociais podem atuar concomitantemente, levando à depressão, como, por exemplo, a morte de um ente querido, ou o surgimento de doenças comuns na terceira idade. Tudo isso sem contar, é claro, os preconceitos em relação à velhice que dificultam o inicio de qualquer tratamento. Mas basicamente os principais sintomas da depressão no idoso são os seguintes:

  1. Isolamento social
  2. Tristeza profunda e persistente, acompanhada de apatia e desânimo.
  3. Falta de apetite e de sono
  4. Perda da auto-estima
  5. Crescentes sentimentos de culpa
  6. Desinteresse pelos prazeres da vida, como passear e se divertir
  7. Constantes mudanças de humor
  8. Falta de concentração e até ideias suicidas.

Mas nem tudo está perdido. Segundo indicam muitos especialistas, quando o idoso consegue finalmente ter acesso a um tratamento adequado e eficiente, e é tratado com muita dignidade e respeito, ele tem mais condições de dar a volta por cima e voltar ao convívio social, sabendo que pode desfrutar, com prazer e sem medo, das coisas boas que a vida ainda tem para oferecer.