Alguns Hotéis que valem a pena conhecer

Sabe qual é o hotel mais caro e luxuoso de São Paulo?

É o Fasano, esta humilde estalagem onde as diárias são informadas somente em moeda norte-americana e custam a partir de 630 dólares. Esse valor sobe bastante no caso das suítes mais sofisticadas. O hotel pertence à família Fasano – dona de bares, restaurantes e hotéis no Rio de Janeiro e em São Paulo – e à incorporadora JHSF, uma das maiores do Brasil em imóveis de alto padrão e dona do shopping Cidade Jardim. Freqüentado por celebridades e endinheirados, o Fasano de São Paulo tem decoração estilo anos 30, móveis de época e tijolos ingleses na fachada. Abriga o restaurante de comida italiana Fasano, um dos melhores da América Latina, e o bar Baretto, especializado em jazz. Está localizado nos Jardins, entre as avenidas Paulista e Faria Lima. Inaugurado em 2003, possui 60 quartos distribuídos em 20 andares.

Se desejar aposentos mais “modestos”, hospede-se no Hotel Emiliano, destino certo para quem busca mordomias.
O Emiliano foi o primeiro hotel de luxo de pequeno porte da cidade de São Paulo. Logo ao chegar, o visitante será recebido com uma taça de champanhe servido durante o check-in. Enquanto isso, um mordomo se encarregará de levar a bagagem, desfazer as malas e engraxar os sapatos. Cada hóspede tem direito a um banho de ofurô e uma massagem. Sempre há uma garrafa de vinho tinto e frutas da estação no quarto. O hotel é particularmente interessante para quem vem a São Paulo fazer compras pois está localizado na rua Oscar Freire, um dos principais centros de consumo de luxo da cidade. Abriga 57 apartamentos, o restaurante Emiliano, o bar Emiliano, uma champanheria e um heliponto. As diárias para casal custam a partir de 570 dólares.

Aos jovens endinheirados, o hotel em forma de fatia de melancia projetado pelo arquiteto Ruy Ohtake, que também desenhou o hotel Renaissance em São Paulo, o Blue Tree de Brasília, o Parque Ecológico do Tietê, a sede social do São Paulo Futebol Clube e o projeto de reforma do estádio do Morumbi. O Unique está localizado ao lado do parque do Ibirapuera, uma das maiores áreas verdes da cidade de São Paulo. O hotel agrada jovens endinheirados, principalmente do mercado financeiro. Abriga o restaurante e bar Skye na cobertura, que oferece uma bela vista da cidade. Possui 85 apartamentos e dez suítes decorados por João Armentano. A diária para casal custa a partir de 465 dólares.

Já o Hilton Morumbi atrai executivos.
Em 2004, o hotel da rede americana Hilton mudou de endereço em São Paulo. O antigo prédio, localizado na avenida Ipiranga, na região central, foi desativado para dar lugar ao Hilton Morumbi, na marginal Pinheiros. Por fazer parte do Centro Empresarial Nações Unidas e estar próximo às avenidas Luís Carlos Berrini, Juscelino Kubitschek e Roque Petroni Jr., o hotel tornou-se um dos destinos preferidos de executivos em visita a São Paulo. Como o Hilton é uma das maiores redes de hotéis dos Estados Unidos, com mais de 500 unidades ao redor do mundo, costuma receber autoridades estrangeiras em São Paulo. George W. Bush se hospedou lá quando ainda era presidente dos Estados Unidos. Os quartos são confortáveis e funcionam como escritórios para quem precisa trabalhar. Mas também é possível relaxar no Hilton. Há um spa e uma das maiores academias de hotéis da cidade na cobertura. O ótimo restaurante Canvas e a vista para a ponte estaiada são outras atrações. O hotel é enorme. Tem 487 apartamentos e suítes e diversas salas de convenções projetadas para encontros de negócios. As diárias para casal custam a partir de 559 reais.

Mas sem dúvida, o Copacabana Palace é o hotel mais glamoroso do Brasil.
Foi fundado há mais de oito décadas, mas soube manter-se atual. Localizado na avenida Atlântica, na orla de Copacabana, no Rio de Janeiro, tornou-se internacionalmente conhecido em 1933, ao servir de cenário para o filme Flying Down to Rio, que tem Fred Astaire e Ginger Rogers como protagonistas. A praia de Copacabana já não é tão glamorosa como antigamente, mas até hoje o hotel continua a ser um ícone para estrangeiros que planejam visitar o Rio. Inaugurado em 1923, foi construído por Octávio Guinle e Francisco Castro e Silva a pedido do então presidente Epitácio Pessoa, que acreditava ser necessário haver um grande hotel de luxo na capital do país. Inicialmente abrigava também um cassino. Em 1946, o então presidente Eurico Gaspar Dutra decidiu proibir jogos de azar no país, e o cassino foi transformado em casa de espetáculos. Em 1985, com a decadência do Rio provocada pela mudança da capital para Brasília, chegou-se a cogitar a demolição do hotel. A idéia acabou abandonada quando o prédio foi transformado em patrimônio histórico. Em 1989, a família Guinle vendeu o hotel para a rede internacional Orient-Express, que modernizou suas instalações e inaugurou um novo sistema de iluminação, que fez o hotel resplandecer à noite. O Copa, como é chamado pelos cariocas, tem 243 apartamentos e suítes e cobra a partir de 583 reais por uma diária de casal.

Já escolheu onde vai passar teu próximo Reveillon ??