A Influência da Família no Gerenciamento da Empresa

Na nossa sociedade constata-se facilmente que, gerenciar o orçamento familiar, não é prioridade para a maioria das pessoas e também para a maioria das empresas brasileiras.

Influência da família nos negóciosAtravés das faculdades de Administração ou Economia muito esforço tem sido dispensado ao assunto nas organizações e, para as famílias, cursos como Economia Doméstica – por exemplo –auxiliam-nas a administrarem melhor seus recursos.

Acrescenta-se a isso que nossa sociedade tem aversão a certos controles e a algumas regras e, certamente, essa característica acaba interferindo nas organizações, onde se faz apenas o necessário em termos de planejamento.

Por exemplo: Muitas empresas se preocupam muito mais com sua Contabilidade Fiscal do que com a Contabilidade Gerencial ou utilizam mais os insights do que números.

Cremos mais na esperteza do que na expertise e mais na decisão de “bombeiro” do que na de planejamento. Isso ocorre porque muitas empresas valorizam mais aqueles que resolvem problemas do que aqueles que os evitam.

Porém, nos esquecemos facilmente que muitas características da nossa cultura começam em casa, pois a gestão – um dos ingredientes da educação – começa efetivamente em nosso lar. Nós queremos, por exemplo, que nossos filhos gastem menos, que controlem seus recursos para que sua mesada chegue até o fim do mês. Por outro lado, eles não vêem seus pais controlarem ou planejarem seus gastos.

Fluxo de Caixa, Custo Fixo familiar ou Receitas Esperadas são assuntos estranhos á grande parte das famílias e, conseqüentemente, o destino do dinheiro é uma incógnita para a maioria dos lares brasileiros.

Mesmo sem dinheiro muitos pais acabam sucumbindo aos argumentos dos filhos nas filas dos caixas dos supermercados, diante da prateleira de brinquedos ou na vitrine de uma loja. Dessa forma, sempre arrumamos uma forma de driblarmos o orçamento e, sem que percebamos, acabamos fazendo escola.

Sendo assim, a questão cultural sobre a Gestão (paterna e autocrática) tem contribuído para que se entenda melhor esse fenômeno, pois ainda existe certa predominância do pai sobre a mãe ou do filho homem sobre a filha – por exemplo – e do Planejamento “de cabeça” sobre o Planejamento Estratégico (escrito e auditado).

De forma geral pode-se dizer que Planejamento Estratégico é um método pelo qual uma organização define que recursos serão usados para alcançar seus objetivos e como alcançá-los. Tomemos o exemplo de muitas donas de casa, as quais têm o hábito de anotarem o dia em que o botijão de gás chegou a fim de planejarem o consumo de gás de sua família.

Na mesma linha estão os consumidores de água em garrafões e de luz que comparam seu consumo, pois na mesma fatura encontram-se os totais consumidos em meses anteriores. Como minimizar seus gastos com essas e outras despesas? Planejando e seguindo o planejado escrito e auditado.

Nos últimos anos muito se tem falado sobre planejamento nas organizações, o qual acabou se tornando foco da atenção da administração. Esse foco está voltado para as medidas positivas que uma empresa pode tomar a fim enfrentar as ameaças do seu dia-a-dia, mas ele também vem sendo adotado para aproveitar as oportunidades encontradas no próprio ambiente em que as empresas atuam.

Organizações de todos os tipos estão concluindo que essa atenção sistemática à estratégia é uma atividade muito proveitosa e, as razões para isso são muitas, embora a principal seja a de evitar o risco da falência em função da má administração.

Atualmente muitas empresas vêm concorrendo com produtos oriundos de vários países – especialmente os chineses – e, em função disso, elas devem saber decidir mais rapidamente baseadas em roteiros pré definidos. Daí a importância de seguir o Planejamento Estratégico. É ele que determinará uma trajetória segura a ser seguida.

Comparando-se o Planejamento Estratégico à alguém que iniciou um regime alimentar – por exemplo – pode-se afirmar que, quem não faz seu planejamento, não sabe o quanto tem que emagrecer ou as atitudes que deve tomar para manter-se no caminho.