8 de Março – Dia Internacional da Mulher

8 de março de 1857 as operárias de uma fábrica de tecidos, situada em Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica para reivindicar melhores condições de trabalho, redução na carga diária de trabalho de dezesseis para dez horas, equiparação de salários com os homens e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi fortemente reprimida com violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas.

Em 1903, profissionais liberais norte-americanas criaram a Women’s Trade Union League que tinha como principal objetivo ajudar todas as trabalhadoras a exigirem melhores condições de trabalho.

Em 1908, mais de 14 mil mulheres marcharam nas ruas de Nova Iorque reivindicando o mesmo que as operárias mortas em de 1857, bem como o direito de voto. Utilizavam o slogan “Pão e Rosas”, em que o pão simbolizava a estabilidade econômica e as rosas uma melhor qualidade de vida.

No ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o “Dia Internacional da Mulher”, em homenagem às mulheres mortas naquele incêncio. Mas somente no ano de 1975 a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

A partir daí, na maioria dos países, realizam-se conferências e debates cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade tentando diminuir preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços e lutas, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional.

O dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.