Vinhos e Comidas – Como os Combinar Corretamente

Há mais de seis mil anos que o vinho está presente em nossas taças e por mais de seis mil anos ele não perdeu sua elegância. Desde bebida de reis e deuses, ganhando variações como os vinhos branco, suave, seco… o vinho, se escolhido corretamente, é sinal de bom gosto e requinte. Assim que você ler este artigo não precisará mais fechar os olhos e escolher o vinho aleatoriamente na carta, saberá escolhê-lo corretamente e que combinará com a entrada, o prato principal e a sobremesa.

taça-com-vinho

Carboidratos

Provavelmente os carboidratos são as comidas que encontrará com maior facilidade em sua cozinha e em restaurantes, estão inclusos nesta categoria comidas como macarrão, pão, feijão, batatas, tortas, etc.. A regra básica é que sejam vinhos leves. E assim como os carboidratos são abundantes nos pratos, há diversos vinhos que combinam com estes:

  • Vinhos Brancos: famoso por sua cor dourada e sua doçura frutifica e em alguns isso é imperceptível (devido a transformação do açúcar em álcool, no caso dos secos), ele é servido gelado. Evite os vinhos brancos doces com os carboidratos.
  • Frisantes: entre eles estão o champagne e o prosecco, os frisantes são vinhos gaseificados com gás carbônico, que foram gerados durante o processo de fermentação.
  • Vinhos Tintos: este já é o que tem sua cor “sanguinária” devido ao uso de uvas pretas ou tintas. Devido a seu envelhecimento ocorrer em barris de carvalho ele acaba adotando um aroma e sabor de frutas maduras e especiarias.

Carne Branca

As carnes brancas são mais leves que as vermelhas, entre as carnes estão às de aves e às de peixes, mas daremos atenção aos peixes em outra seção.

  • Vinhos Brancos: neste caso estão excluídos os vinhos brancos secos e os doces, prefira o meio termo como o Chardonnay, Marsanne, Viognier
  • Vinhos Tintos: assim como fizemos com os brancos faremos o mesmo com os tintos, exclua os secos, prefiro os suaves e os demi-sec, como os Pinot Noir, Gamay, Tinto de Mesa, Merlot.

Carne Vermelha

As carnes vermelhas são as provenientes dos mamíferos como a bovina, suína, ovina… para se combinar com estas carnes, tanto para servir de acompanhamento quanto para ser usado em receitas, não existe muita regra, basta que seja tinto.

  • Vinhos Tintos: desta vez exclui-se os suaves, prefira os secos e os demi-sec, como o Tinto de Mesa, Merlot, Monastrell, Malbec…

Crustáceos

Crustaceos

Não é porque vieram do mar que podem ser combinados com os mesmos vinhos dos peixes. Entre os crustáceos estão os siris, caranguejos, lagostas, camarões, etc.

  • Vinho Tinto Suave: Devido as carnes dos crustáceos serem macias não combinará com os sabores mais fortes dos vinhos secos.
  • Vinho Branco: neste caso estão excluídos os vinhos brancos secos e os doces, prefira o meio termo como o Chardonnay, Marsanne, Viognier

Doces

Muitos consideram que não há vinhos que combinem com doces, mas há, se escolhidos corretamente, e tanto podem ser usados em receitas como de acompanhamento.

  • Vinho Branco Doce: sua principal característica é o saber adocicado, como o nome já diz. Alguns exemplos desses vinhos são os feitos de uvas Malvasia, Moscato e Riesling.
  • Vinhos de Sobremesa: o nome já diz para que são. A sua doçura se dá naturalmente, sem adição de açucares. Também são conhecidos como vinhos licorosos. Alguns exemplos são: Porto, Sherry

Embutidos

Nesta categoria está as linguiças, salsichas, chouriços, mortadela… todas preparadas com diversos tipos de carnes então classificá-los apenas como carne vermelha ou branca é um erro. Também, devido aos temperos, como sal e pimenta, não estranhe que os vinhos doces estejam na lista, pois amenizarão o sabor.

  • Vinhos Tintos: devido ao uso de uvas pretas ou tintas obtêm a sua cor rubi. Devido a seu envelhecimento ocorrer em barris de carvalho ele acaba adotando um aroma e sabor de frutas maduras e especiarias.
  • Vinho Branco Doce: sua principal característica é o saber adocicado, como o nome já diz. Alguns exemplos desses vinhos são os feitos de uvas Malvasia, Moscato e Riesling.
  • Vinhos de Sobremesa: o nome já diz para que são. A sua doçura se dá naturalmente, sem adição de açucares. Também são conhecidos como vinhos licorosos. Alguns exemplos são: Porto, Sherry

Peixes

Prato com salmão

Um dos ingredientes mais comuns na gastronomia mundial e também de alto requinte, desde uma simples sardinha até um bacalhau da Noruega, há peixes para todos os paladares.

  • Vinho Branco: neste caso estão excluídos os vinhos brancos doces, prefira os Chardonnay, Marsanne, Viognier ou os secos como o Branco de Mesa, Pinot Grigio
  • Frisantes: entre eles estão o champagne e o prosecco, os frisantes são vinhos gaseificados com gás carbônico, que foram gerados durante o processo de fermentação.

Queijos

Talvez a combinação mais famosa, o romeu e julieta, que exista com os vinhos seja o queijo, é quase impossível não pensar em queijo ao ouvir as palavras harmonização e vinhos na mesma frase. Mas não é pelo fato de serem conhecidos que qualquer vinho combina com qualquer queijo, podemos classificar os queijos de muitas formas, desde o local de onde veio até seu tempo de maturação, mas o que levaremos em conta é sua maciez.

Uma das melhores regras para se combinar queijo e vinho é optar por um vinho da mesma região do queijo, como por exemplo, caso opte por um Parmigiano Reggiano procure por um vinho da região de Parma, da Itália.

Duros

Nesta categoria estão os com maior tempo de maturação como o Parmigiano Reggiano, Gruyère, Provolone…

  • Vinhos Tintos: desta vez exclui-se os suaves, prefira os secos e os demi-sec, como o Tinto de Mesa, Merlot, Monastrell, Malbec…
  • Frisantes: entre eles estão o champagne e o prosecco, os frisantes são vinhos gaseificados com gás carbônico, que foram gerados durante o processo de fermentação.
  • Vinho Branco Doce: sua principal característica é o saber adocicado, como o nome já diz. Alguns exemplos desses vinhos são os feitos de uvas Malvasia, Moscato e Riesling.

Macios

Os queijos macios são os mais novos, com menor tempo de maturação, como o Brie, Prato, Minas Frescal, Ricotta

  • Vinhos de Sobremesa: o nome já diz para que são, mas cai bem com queijos macios, principalmente os mais salgados. A sua doçura se dá naturalmente, sem adição de açucares. Também são conhecidos como vinhos licorosos. Alguns exemplos são: Porto, Sherry
  • Frisantes: entre eles estão o champagne e o prosecco, os frisantes são vinhos gaseificados com gás carbônico, que foram gerados durante o processo de fermentação.
  • Vinho Branco: exclui-se os secos. Sua principal característica é o saber frutifico. Alguns exemplos desses vinhos são os feitos de uvas Malvasia, Riesling, Roussanne, Viognier…

Vegetais

Esta é a categoria que há muitas exclusões devido a difícil combinação, talvez por alguns vegetais terem seus mais diversos sabores, alguns mais amargos, outros mais doces, outros sem sabor…

  • Vinhos Brancos Secos: famoso por sua cor dourada e sua doçura imperceptível (devido a transformação do açúcar em álcool, no caso dos secos), ele é servido gelado e também cai bem com os vegetais assados.
  • Frisantes: este combina melhor com os vegetais crus; entre os vinhos estão o champagne e o prosecco, os frisantes são vinhos gaseificados com gás carbônico, que foram gerados durante o processo de fermentação.
  • Vinhos Tintos: este já combina melhor com os vegetais assados, e desta vez exclui-se os secos, prefira os suaves e os demi-sec, como o Tinto de Mesa, Merlot, Gamay, Pinot Noir…