Uma Ex-futura Mãe Normal

É assim que podemos chamar todas as grávidas que, por algum motivo, interno ou externo tiveram sua benção interrompida. Um aborto natural, um acidente de percurso. Acontece!”É tão normal perder um bebê!” Posso dizer que perdi as contas de quantas vezes eu ouvi essa frase infeliz. Será que é tão difícil entender que não existe nada de normal no que nos acontece pela primeira vez?!No que não nos acontece pela primeira vez… Não há palavra, não há questão alheia que conforte, que diminua o tamanho da perda. A dor é única, solitária, intransferível.

Olhar ao redor e ver que, normal é distribuir preservativos e anticoncepcionais para evitar a “gravidez indesejada”; normal é ver mulheres em condições sub-humanas com um bebê no colo, um barrigão pesando e um tanto de criança ao redor para alimentar, normal é parir, normal é o parto, por mais cesariano que ele seja!

E a dor de quem não pariu, nem quem pariu sabe… Mas desejo ainda essa dor que não senti…

Sinto por quem não soube omitir a falsa sensibilidade… Alegro-me ao lembrar o silêncio daqueles que compreenderam os limites das palavras…

Ex-futura mamãe, normal é querer, normal é sofrer com a perda, é crescer com a lição por mais incompreensível que ela seja. No mínimo aprender que a dor só é suportável nos outros.