Um Pouco Sobre Fé

Emmanuel nos diz que: “Para encontrar o bem e assimilar-lhe a luz, não basta admitir-lhe a existência. É indispensável buscá-lo com perseverança e fervor”. Todo mundo sabe da eletricidade, mas para que a lâmpada possa iluminar o ambiente são necessários os fios condutores para lhe transportar a força, que vem da usina elétrica até onde se deseja iluminar. Tirar e exibir fotografia é um hábito tão comum nos dias de hoje; mas, para que a imagem se fixe, na execução do retrato, é necessário a aparelhagem sensível que a recebe.

O que dizer da voz humana que através da radiofonia, atravessa continentes, com absoluta fidelidade; todavia, não prescinde da disciplina da aparelhagem eletrônica para lhe transportar as ondulações.

Atitude positiva de confiança é fundamental. No entanto, como exprimir a fé? ela é motivo de Indagação constantemente, porém, a fé não encontra definição no vocabulário comum. É potência nascida da própria alma, instintivamente certa da Sabedoria Divina que é por isso mesmo, a sabedoria da própria vida. Palpita e vibra em todos os seres e todas as coisas. Está no cristal fraturado que se recompõe, humilde, e revela-se na árvore podada que se refaz, gradativamente, submissa às leis de renovação da Natureza.

A energia da fé se mostra em todas as operações da existência que se desenvolvem, de alguma forma, sob a sua égide. É por que o campo confia no vigor da primavera que cobre-se de flores. O rio é a certeza da realidade da fonte, e não a pode isentar para a sua caudal se tornar larga e profunda. A simples refeição é, para o homem, um ato espontâneo de fé, uma vez que ao alimentar-se ele confia em seu sistema digestório que não vê. O êxito de toda experiência social é o resultado da fé da comunidade que se empenha no respeito aos ditames das leis que lhe regem a existência.

Conscientemente, utilizando-nos de semelhante energia, é possível diminuirmos longas curvas em nossa rota evolutiva. Seja qual for a nossa interpretação religiosa da ideia de Deus, é imprescindível acendermos a confiança no bem para refletir-lhe a grandeza. A exemplo da lente e do Sol. O astro solar distribui equitativamente os seus raios luminosos. Convergindo-lhe, porém, os raios com a lente comum, dele desfrutamos poder mais amplo.

A luz do Bem Eterno que vem para uns é a mesma luz que vem para todos, mas a concentração da força em nós, depende de nossa positiva segurança íntima, decerto. Busquemos o Bem, pois, incansavelmente, sem nos determos no caminho do mal. A árvore podada oferece frutos iguais àqueles que produzia antes do golpe que a mutilou.

Geremos força na fé para sustentar o bem inexaurível. A fonte chega ao rio, limpando a si mesma da lama que lhe atiram. Busquemos a boa parte das criaturas, das coisas e dos sucessos que nos cruzem a vivência cotidiana. Teremos, a nossa mente voltada para o bem, incorporando em nós os tesouros eternos, e a felicidade que nasce da fé, generosa e operante, libertemo-nos dos pesados grilhões de todo o mal, de vez que o bem, constante e puro, terá encontrado eco em nossas almas que refletirão, assim, a sua pureza.