Tratamento Superficial Duplo

O tratamento superficial duplo é um dos mais utilizados para solos que precisam de uma renovação simples, ou seja, apenas um retoque no asfalto. Trata-se de um processo em que são despejadas sobre o asfalto camadas alternadas de asfalto e agregado, realizados sobre uma superfície acabada e imprimada. É uma solução simples e em conta, sobretudo para quem precisa melhorar o solo mesmo em tempo de chuvas, sendo esta uma solução para o melhoramento do asfalto tanto de locais com alto fluxo de veículos, com em vias de pouca circulação.

Agregado e ligante

Para conhecer mais sobre o TSD, como é conhecido o procedimento, é preciso conhecer termos como o ligante, que é o elemento “dará liga”, ou seja, ele irá prender os demais agregados. Outro termo é o agregado, que se trata do tipo de material que será utilizado juntamente com ligante e é geralmente brita, cascalho, terra e outros materiais que servirão para compor o tratamento superficial duplo.

Ttratamento Superficial Duplo

Materiais

Vale ressaltar que os materiais devem estar dentro das normas e especificações aprovadas pelo DAER. No tratamento superficial duplo podem ser usados materiais como emulsão asfáltica catiônica de ruptura rápida, conhecida como RR, emulsões asfálticas modificadas por polímeros (pneus), cimentos asfálticos e outros produto, que devem estar tecnicamente justificados e com aprovação do DAER. Para garantir uma adesividade grande do ligante é usado o melhorador conhecido como CAP, que aumenta a resistência do tratamento.

Além desses materiais, a pedra britada, escória britada ou seixo rolado britado também são permitidos pelo DAER. O material deve ser constituído de partículas limpas, duras, duráveis sem cobertura e torrões de argila ou outro elemento que pode comprometer a qualidade do tratamento. Para isso é necessária a lavagem do agregado utilizando o equipamento adequado, regulamento  DAER. O transporte não pode ser feito em caminhão que também foi feito o transporte de material pétreo. As medidas também devem estar de acordo com o apontado pelo órgão.

Glanulometria

Para o despejo adequado do agregado no solo é necessário que ele passe por um equipamento que irá separar e torná-los mais uniformes. Para isso é preciso de duas máquinas, em que o agregado mais fino deve ter, ao menos, metade do tamanho do agregado mais grosso. Também são necessárias peneiras que irão separar os agregados que serão utilizados no tratamento superficial duplo. Existe uma tabela que indica o diâmetro adequado para os granulados que comporão o agregado.

Demais equipamentos

Tratamento Superficial Duplo

Os equipamentos utilizados devem ser examinados e fiscalizados, devendo receber aprovação antes de ser dada a ordem de serviço. Os carros que transportam os elementos ligantes devem ser projetados especialmente construídos para essa finalidade, apresentando rodas pneumáticas e de suspensão adequadamente rígida. Além disso é necessário ter um sistema autônomo de aquecimento e de circulação, isolamento térmico, bomba de pressão, barra distribuidora, tacômetro, calibradores, compressores e outros

Execução

A execução do tratamento superficial duplo consiste na limpeza da superfície, primeiro espargimento do ligante asfáltico, primeira aplicação do agregado, compressão da primeira camada, segunda aplicação do ligante asfáltico, segunda aplicação e distribuição do agregado. Os passo finais constituem na compressão da segunda camada, eliminação dos rejeitos, verificação da fixação e liberação do tráfego.