Tragédias no Rio – A Solidariedade Sobrevive

As tragédias naturais, que volta e meia ressurgem como um monstro indomável, causam sempre em nós, seres humanos,  as mais variadas reações, desde um misto de dor e tristeza até aquela sensação amarga de incredulidade diante de uma  realidade dura de aceitar.

Tragédias no Rio - A Solidariedade Sobrevive

Tragédias no Rio - A Solidariedade Sobrevive

E quem não se lembra, por exemplo, da onda de deslizamentos que arrasou a cidade de Angra dos Reis no ano passado? As cenas daquela tragédia ainda povoam a nossa memória; e parece que foi ontem.

E que dizer então da tragédia que se abateu recentemente sobre a Região Serrana, no Rio, causando, como vimos, muita destruição e morte? Acontece que, por mais que essa sucessão de tragédias já faça parte do nosso cotidiano, jamais nos habituamos a ela; e terminantemente nos recusamos a nos dobrar de todo, a despeito de sua força superior. Porque a certeza de que “nem tudo está perdido” é que nos dá  a coragem de prosseguir lutando, inspirando nossos corações a praticar a solidariedade nos momentos em que alguém mais precisa de nós, independente de classe social, cor da pele, condição financeira e afins.

E é justamente nas tragédias que essas diferenças se nivelam face à real necessidade de um calor humano, ou de um braço estendido para o que der e vier. Por isso precisamos, acredito, repensar diariamente nossas relações e atitudes, nos bons e maus momentos, nas alegrias e nas perdas, pois é dando e recebendo amor num espírito de solidariedade, que conseguimos, já não digo vencer, mas pelo menos anestesiar a dor de uma tragédia.