Síndrome da Fome Oculta

A má alimentação e a falta de nutrientes aumentam a compulsão alimentar. Você sabia que a fome pode ser causada pela falta de nutrientes como vitaminas e sais minerais? É a chamada Síndrome da Fome Oculta, cujos sintomas são mais aparentes quando a doença está em um estágio avançado, mais grave, como explica a nutricionista Leila Froeder: “Chama-se fome oculta porque os sintomas no primeiro estágio não aparecem, pois não comprometem o rendimento corpóreo”. Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) comprovam que uma a cada quatro pessoas sofrem deste mal, que é mais comum nos jovens. As pessoas que se alimentam fora de casa, ou aquelas que não conseguem preparar alimentos naturais e saudáveis, ficam vulneráveis à síndrome.

Reconheça os sintomas da Síndrome da Fome

Como a nutricionista explicou, os sintomas são mais aparentes no segundo estágio e podem ser notados de diversas formas. Em algumas pessoas, estes sintomas aparecem como contração dos músculos, cãibras, irritação, fraqueza e até exaustão. Em outras pode ser notado a partir do cansaço em excesso, sangramento vaginal e queda de cabelo.

“Estes sintomas provocam problemas no desenvolvimento do indivíduo, no ânimo e no sistema imunitário, tornando-o frágil à ação de vírus e bactérias,” afirma Vanessa. Isso ocorre no nosso organismo como consequência de uma má alimentação, rica em gordura saturada, açucares e pobre em micronutrientes e fibras. “É uma consequência da transição nutricional da alimentação do brasileiro, da americanização dos hábitos. São exemplos deste novo jeito de se alimentar com produtos industrializados, fast-food e delivery. Esta alimentação é caracterizada pelo consumo de alimentos constituídos de carboidratos com índice glicêmico elevado, associada as gorduras”, explica. A má alimentação causa falta de nutriente e, dessa forma, o cérebro envia sempre a mensagem de fome para o organismo.

Mude os hábitos e previna

A dificuldade e a falta de tempo em poder comer adequadamente e preparar a própria refeição deixam as pessoas mais vulneráveis a síndrome, assim como quem segue dietas restritas. Portanto, a boa alimentação é fundamental para espantar esta síndrome de uma vez! “O ideal é adquirir hábitos alimentares saudáveis, mantendo o consumo diários de verduras e legumes.