Red Belt

Chegado ao vídeo sem passar pelos cinemas “Red Belt” é o ultimo e surpreendente filme de David Mamet. Sobre um assunto que me é caro, as artes marciais, neste caso o Jujitsu Brasileiro, que pratiquei algumas vezes.

David Mamet é mais simples e straightforward que ultimamente, conhecendo melhor aquilo que pretende para além do jogo labirintico do enredo. Praticante de Jujitsu brasileiro há 5 anos, Mamet consegue tocar em vários temas de uma vez, enquanto põe a trabalhar um heist movie qb para nos baralhar completamente as contas . Mais, “Red Belt” é o primeiro fight movie da história do cinema a tocar no tema do Jujitsu Brasileiro, o que em si é não só inédito como também de aplaudir. Surpreendente para mim é que uma arte e filosofia tão ricas como o Budo se conheçam no ocidente apenas de filmes de Akira Kurowasa e ramificações.

O Jujitsu brasileiro é a arte marcial onde a flexibilidade é a chave do sucesso e a rígidez a morte do artista. Tudo se joga com a capacidade de adaptação e antecipação do movimento em relação ao oponente. Até ao KO final. Qual xadrez corporal com o seu inevitável cheque mate.

O Jujitsu é a base por onde Mamet trabalha o filme, num enredo onde a harmonia do Dojo é subvertida pela pervesidade do mundo exterior, misturando-se aqui a temática das artes marciais com a negritude dos filmes de luta como”O Touro Enraivecido” de Martin Scorsese.

O final, impossível de antecipar, é o único buraco ou centelha de luz por onde o heroi do filme poderia passar. Surpreendendo-nos como um movimento de jujitsu que nos salve intuitivamente do inevitável estrangulamento.
“Red Belt” conta ainda com excelentes interpretações, em especial do protagonista Chiwetel Ejiofor, ritmo inebriante e a capacidade rara de me fazer entusiasmar com um filme. Aluguem-no, já que não o podem ver numa sala de cinema.