Quem tem Medo de Hipnose?

Você é um daqueles que ainda pensa que o hipnólogo vai dominar a sua mente? Ou, que a hipnose é uma técnica mística, com conhecimentos ocultos, e isto, para não falar de muitos outros blá, blá, blás… Esqueça! Hipnose é coisa séria.

Aliás, é muito mais do que isto é uma ciência a serviço dos psicólogos, médicos e dentistas.

O objetivo desta técnica milenar são as suas aplicações terapêuticas no tratamento das fobias, das depressões, das diversas formas de compulsões patológicas, ansiedades, doenças psicossomáticas, analgesia da dor, estresses, neuroses, entre outras psicopatologias.

A hipnose associada com a psicoterapia tem um efeito potencializador e, bastante duradouro (muitas vezes definitivo), uma vez que, como o tratamento vai agir direto sobre a etiologia da psicopatologia ou, na demanda subjetiva do paciente, os resultados têm animado muitos profissionais de saúde na sua utilização prática.

Não é à-toa, que o numero de profissionais, aumentam a cada ano, em função da sua eficácia e conseqüente crescimento das pesquisas sobre o assunto em todo planeta.

No entanto, cuidado! Existem muitos charlatões e curiosos de plantão, em busca de vítimas incautas. E, as ações destes criminosos, podem agravar a situação do quadro clínico do paciente, e em alguns casos, podendo levar ao óbito. No Brasil, os conselhos federais de psicologia, medicina e odontologia, credenciaram os seus profissionais qualificados, para o exercício legal desta prática, abominando o seu uso como uma simples atração de palco, para a mera satisfação da curiosidade do público em geral. Tais espetáculos, sempre reforçaram a idéia de algo místico, fantástico, etc, nas mãos de pessoas inescrupulosas e, muitas vezes sem conhecimento técnico apropriado.

Hipnose é sugestão, dentro de um estado alterado de consciência, onde o sujeito se afasta (temporariamente) do estado de vigília para atingir as ondas alfa (?), ou seja, entre o sono e a vigília. A pessoa se mantém acordada ouvindo tudo a sua volta, especialmente, aquilo que seu terapeuta sugere com habilidade. Possibilitando atingir o inconsciente do paciente em poucas sessões e, trabalhar os conteúdos reprimidos pela consciência, que por sua vez, produzem os mais diversos sintomas sobre o sujeito.

Mas, é muito importante que, o paciente que deseja ser atendido com a ajuda da hipnose, esteja solícito, isto é, a pessoa precisa realmente querer e acreditar no processo. Caso contrário, as suas defesas e resistências psíquicas, retardarão todo o trabalho ou, simplesmente, impedirão totalmente a produção de um fenômeno “natural” e saudável.

Desta forma, qualquer pessoa com uma inteligência mediana e criativa, poderá ser facilmente hipnotizada, com objetivos terapêuticos bastante claros (quero dizer, sem curiosidades vazias). Porém, não aconselho aos meus pacientes com psicoses, esquizofrenias graves ou certos tipos de depressão; uma vez que, nestes casos em particular, a técnica seria contra-indicada.

É preciso que todos saibam que, a hipnose é um excelente recurso terapêutico a serviço do homem, na busca do melhor tratamento, ou até mesmo, na cura dos seus males. O sujeito hipnotizado nas mãos de um profissional competente, não corre risco algum. Muito pelo contrário, está muito seguro e bem encaminhado. Poderá voltar sempre do seu transe, lembrar de toda a sessão (a menos que isto não seja desejado), tomar as decisões de acordo com a sua vontade própria e com os seus princípios morais e éticos.

Abrir mão deste recurso, por crendices ou preconceitos de qualquer ordem, é retroceder aos atavismos conceituais, daqueles que desconhecem totalmente os avanços tecnológicos, disponíveis ao bem estar do ser humano, ainda que paradoxalmente, o avanço sobre o qual, estamos nos referindo, já seja uma “senhora milenar” na história da humanidade.