Preconceito

Uma poderosa arma que ao ser  disparada,  na maioria das vezes atinge de maneira a deixar seqüelas inimagináveis para o alvo, e aqueles a quem lhe é caro. Uma arma com várias formas de se municiar: seja velada, explícita, bem intencionada, (sim porque há preconceito disfarçado de boa intenção), seja racial, etária ,social, sexual ou por convicção cultural , o fato é que  não existe ainda uma defesa para esta poderosíssima arma. E não há de dizer, que seja uma arma usada por  esse ou aquele . Mas uma arma que ao nascer já a recebe como um dos primeiros presentes.

E aqueles, que de alguma forma  sente-se chocado ou ultrajado por esta afirmação, mesmo que se sinta vitima, si, se fizer uma introspecção, (e não precisa ser tão profunda) irá de pronto descobrir que já a usou, municiada de alguma forma, entre tantas. O que há de concreto, é que  esta arma, quase sempre vem acompanhada da hipocrisia. Pois, aqueles que são vitimados, usam esse  escudo para justificar. Já aos algozes nato, esta arma sempre usada, os fazem sentir os donos da verdade, e que são  puros ilibados por esse sentimento doentio. E por esta sarcástica visão pergunta se:

Preconceito, uma doença a ser tratada ou uma maldade a ser erradicada?

E se doença, enxergar-la-ei, como a maior epidemia global  jamais superada por  peste alguma.

Mas se maldade, há de se recorrer aos especialista em psicanálise, que a imputam como uma “sociopatia”.

Logo, defino:

Preconceito,  forma de diferir , o que é, aos olhos daqueles, uma anomalia.

Por Delson A Vieira