Por que Nós Morremos?

Sabemos muito bem, que a ciência humana procura explicar tudo de forma lógica e coerente. Mas, quando o mistério é muito superior à sua capacidade de explicação lógica, ela deixa isto ao cargo de Deus, a quem ela não conhece e, até mesmo podemos dizer, não procura conhecê-lo. A ciência humana, no seu parco conhecimento – ainda que possamos pensar que ela vai a mil por hora! – conceituou que tudo neste mundo tem um princípio, um fim e um meio, que nada se perde, nada se cria e que tudo se transforma. E, neste diapasão, conhecemos que o corpo humano nasce, se desenvolve e morre praticamente de uma forma até mesmo ordenada e lógica. Todos que nascem têm que morrer, um dia.

Nada escapa deste conceito humano científico e cruel, na sua dura realidade. Então, vamos tentar vislumbrar um outro conceito, não humano, que foge à toda a lógica humana e científica, mas que se constitui na mais pura e simples verdade. Vamos nos reportar, historicamente, à origem do homem para entendermos o que vamos expor aqui. Deixando de lado os conceitos sem provas científicas de Darwin, vemos que o homem é um ser criado com componentes terrenos – para confirmar isto, basta analisarmos a composição físico-química do corpo humano – pela própria mão de Deus: “Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou um ser vivente.” Gênesis 1:7. Portanto, fomos criados com material vindo da própria terra, do seu pó. Isto a ciência humana não explica, ainda, e talvez nem venha em tempo algum explicar.

Nosso corpo não foi criado para a destruição, e sim para a vida eterna, por que a primeira condição não espelha a grandeza do Criador, mas a segunda sim. Vamos dar alguns exemplos práticos para que haja melhor entendimento: 1 – Adão, o primeiro homem, viveu nada mais, nada menos que novecentos e trinta anos, algo que para a ciência humana contemporânea não é considerado, simplesmente; 2 – Sete, filho de Adão, viveu novecentos e doze anos; Enos, viveu novecentos e cinco anos; e um que todos conhecem, Matusalém, viveu novecentos e sessenta e nove anos, e morreu. Todos, ainda que tenham tido uma vida muito longa para os nossos conceitos atuais, vieram a morrer. Mas, por que?

Vamos estender um pouco mais o raciocínio, para ver até onde podemos chegar. “Por causa da perversidade do homem, meu Espírito não contenderá com ele para sempre; ele só viverá cento e vinte anos”. Gênesis 6:3. Pronto, foi decretado pelo próprio Criador, que o homem não viveria mais que cento e vinte anos. E o que aconteceu a partir de então? De fato, o homem não vive mais que cento e vinte anos, salvo algumas honrosas e raríssimas exceções. Mas, o que trouxe a morte ao corpo humano e o fez deixar de ter uma vida mais longa, e ainda deixar de ser eterno, como era o plano inicial do Criador? Aqui temos a explicação: “E ao homem declarou: ‘Visto que você deu ouvidos à sua mulher e comeu do fruto da árvore da qual eu lhe ordenara que não comesse, maldita é a terra por sua causa; com sofrimento você se alimentará dela todos os dias da sua vida. Ela lhe dará espinhos e ervas daninhas, e você terá que alimentar-se das plantas do campo. Com o suor do seu rosto você comerá o seu pão, até que volte à terra, visto que dela foi tirado; porque você é pó, e ao pó voltará’”. Gênesis 3:17 a 19.

Portanto, fica bastante claro, com base nos textos que analisamos que o homem perdeu a vida eterna em seu corpo, por pura desobediência às instruções de Deus. A morte não é um processo simplesmente natural, como julga a nossa vã sabedoria científica, ela foi incorporada como maldição em conseqüência da desobediência. Mas, como o Criador sempre surpreende o homem com a Sua Sabedoria, o corpo humano voltará a ser eterno e em glória habitará para sempre com o Senhor. Todavia, somente alcançarão este patamar aqueles que andarem na obediência. Isto é assunto para outra ocasião.

  • Nós morremos por que a nossa vida é um ciclo biológico: Nasce, cresce, reproduz, envelhece e morre. Nossas células vão se renovando, e outras vão morrendo com o passar dos anos. Nosso órgãos vitais, vão ficando lentos e degenerados com a idade. Como seria este mundo, se não existisse morte? Este planeta não nos caberia? Você já imaginou quantas vidas nascem todos os dias? E quantas tantas morrem? O mundo hoje tem 7 bilhões de habitantes. Quantos bilhões não iria existir a mais se não fosse a morte. Existe, segundo a Biblia, a morte espiritual do homem. Esta é bem pior que a morte fisica do corpo. É eterna separação de DEUS. É nunca mais poder senti-lo ou vê-lo.