Por que eu Deveria me Conhecer?

Hoje em dia se fala muito sobre o autoconhecimento e a pergunta é: Pra que serve?

Existe um pensamento antigo que diz “Conhece a ti mesmo e a verdade o libertará”. Esse pode ser um bom motivo, pois, você sabe qual é a sua verdade?

Nós vivemos no meio de verdades e mentiras por todos os lados, e o falso e o verdadeiro definem o que é certo ou errado. O certo e errado definem os prêmios e os castigos que estabelecem as regras de convivência de nossa sociedade.

Definimos o caráter das pessoas dentro do conceito do que aceitamos como bom ou mau. Os limites impostos pela sociedade foram sendo construídos ao longo da vida, isto é, da sua história.

A verdade de uma geração é a verdade da geração seguinte e, passadas duas ou três gerações, algumas verdades vão sendo questionadas e tornando-se mentiras. No entanto, esse movimento é muito lento. Normalmente, precisamos de 10 a 40 anos para rever um dos conceitos de certo e errado e, assim, construir outros paradigmas, ou seja, outras crenças inquestionáveis.

Esse é um bom motivo para o autoconhecimento, pois as verdades que acreditamos ser nossas são, na verdade, de nossos antepassados e, algumas demorarão séculos para mudar.

As perguntas que o autoconhecimento promove são: Você tem certeza de que suas crenças são suas? Você já se permitiu verificar qual a raiz de suas verdades? De onde elas vieram? A quem você está seguindo?

Mas para se questionar, com imparcialidade, você precisa de ajuda. Necessita de condução e orientação externas. Um dos mais fortes trabalhos mundiais que propiciam esta oportunidade é o Processo Hoffman. Um programa de autoconhecimento que oferece o meio para que você se faça essas perguntas e obtenha as respostas – as suas respostas.

A oportunidade de conhecer sua história do ponto de vista infantil e aprender com a criança que você foi um dia, sobre como e com quem ela aprendeu a ser quem é você hoje, é extraordinária!

Como se fosse num jogo, todas as verdades são colocadas na mesa. Se não pudermos questionar nossas crenças é porque acreditamos que sem essas verdades perderíamos nossa integridade, isto é, deixaríamos de ser quem somos.

SERÁ?

O que somos, quando adultos, já somos. Não deixaremos de ser. Podemos sim, mudar comportamentos indesejáveis e ampliar relacionamentos de maneira pacífica e amorosa, sempre do nosso jeito.

Aliás, o que somos, como seres humanos, é de uma beleza indescritível! Temos um corpo que funciona com uma perfeição incrível, nossa capacidade de realizar é sensacional, a nossa competência amorosa é inigualável e nossa intuição, que domina a certeza de que continuaremos vivos eternamente, é o que sustenta nossa capacidade de criar o futuro.

Somos co-criadores quando geramos novos seres, novos projetos, novas cidades. Somos deuses quando desviamos o curso dos rios, quando construímos uma sociedade que se autossustenta. Somos seres bonitos, inteligentes, realizadores e construtores. Temos as qualidades que afirmamos serem divinas. A questão é: ACREDITAMOS NISSO?

Voltando a falar sobre crenças, qual é a sua? Você sabe que você é portador dos atributos divinos?

Bem, e respondendo a pergunta inicial (Para que serve um curso de autoconhecimento?): Para você aprender que é deus.

O Processo Hoffman da Quadrinidade une suas quatro inteligências: Intelectual, Emocional, Intuitiva e Física, para que você aprenda, de dentro para fora, a sua maior verdade. Esse curso é a verdadeira “escola de deuses”.

Se você ainda não acredita nisso, com quem você aprendeu sua limitação? A quem você está honrando?

Heloísa Capelas: Coach, conferencista, especialista no desenvolvimento da Competência Emocional, Diretora do Centro Hoffman.