Páscoa Hebraica e Cristã

Texto: Ex 12.1.14; Mt 26.17,18; Ico 5.7,8

“Disse o SENHOR a Moisés e a Arão na terra do Egito:

Este mês vos será o principal dos meses; será o primeiro mês do ano.

Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês, cada um tomará para si um cordeiro, segundo a casa dos pais, um cordeiro para cada família…  No primeiro dia da Festa dos Pães Asmos, vieram os discípulos a Jesus e lhe perguntaram: Onde queres que te façamos os preparativos para comeres a Páscoa?

E ele lhes respondeu: Ide à cidade ter com certo homem e dizei-lhe: O Mestre manda dizer: O meu tempo está próximo; em tua casa celebrarei a Páscoa com os meus discípulos….,…  Lançai fora o velho fermento, para que sejais nova massa, como sois, de fato, sem fermento. Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado.

Por isso, celebremos a festa não com o velho fermento, nem com o fermento da maldade e da malícia, e sim com os asmos da sinceridade e da verdade. ’’

Introdução

A páscoa na sua originalidade é uma celebração judaica, que em obediência a Deus celebraram a primeira páscoa na primavera do ano de 1445 a.c. no mês de abibe, que fica entre março e abril do nosso calendário. Quando ainda estavam escravos no Egito debaixo das mãos de Faraó, Deus levanta Moisés afim de dar livramento a seu povo, e na décima praga de julgamento sobre o Egito Deus dar livramento a Israel diante do anjo da morte que haveria de ceifar a todos os primogênitos dos egípicios. A obediêcia na celebração da páscoa sacrificando o cordeiro e aspergindo o sangue em suas casas era algo indispensável para o livramento. Com o Cristão não é diferente Cristo nossa páscoa nos deu livramento diante de satanás e da  condenação do pecado, em memória de Jesus celebramos a santa ceia, ele é o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

1. A obediência precederia a celebração e o livramento (Ex 12. 1,14)

1.1  A lição divina a Israel e a Igreja é; A importância da obediência e o livramento pelo sangue.

1.2  Essa celebração tinha um caráter profético pois, apontava para Jesus o nosso cordeiro pascoal. O cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo’’ Jo 1.19 E livra o crente da condenação.

2. A páscoa exigia santa reverência e preparação (Ex 12.11)

  • Cordeiro assado, evas amargosas, pão sem fermento e fermento fora das casas, lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado nas mãos.

3. A páscoa na história hebraica

3.1  A partir daquela primeira celebração, a páscoa tornaria-se um estatuto perpetuo para Israel por todas as gerações. (Ex 12.14)

  • A primeira celebração foi instituida com  o propósito inicial de livrar a Israel e ensina-los a temer e servir ao Senhor Jeová.
  • As posteriores deveriam seguir o mesmo padrão em temor e obediência, porém seu caráter era apenas comemorativo em louvor a Deus pelo Livramento.

3.2  Depois da construção do templo de Salomão, nos dias de Josias a páscoa deixa a celebração domestica e passa a ser celebrada nos cultos do templo em Jerusalém. (Dt 16.1-6; II Rs 23.21-23)

  • Josias restaura o templo, trás o povo de volta a palavra e restitui ao calendário judaico a celebração da páscoa pois, desde dos dias dos Juízes que Israel havia deixado de obedecer esse estatuto divino.

4. A páscoa em Israel hoje

4.1 Posto a perca do templo judeu em Jeruslém, então as famílias passaram a reunirem-se em casas ou em outros lugares sociais para a celebração

4.2 A páscoa em Israel hoje é chamada  “Seder’’ Já não é celebrada com um cordeiro assado.

4.3 Algumas famílias retiram-se cerimonialmente de suas casas e o pai de família narra a história da páscoa, o livramento de Deus e o êxodo  sobre Faraó e o Egito.

5. A páscoa e Jesus

5.1 Os elementos da páscoa hebraica e sua celebração apontão para Jesus e nele se cumpriram. ( Cl 2.16,17; Hb 10.1)

  • Identificamos a graça e o amor de Deus, tanto na primeira páscoa e no êxodo judeu como no calvário na oferta do seu cordeiro em nosso favor. (Ef 2.8-19; Tt 3.4,5)

5.2 O sangue do cordeiro pascoal era a marca do livramento para Israel (Ex 12.13, 23,27)  O Senhor promete passar, “e passou  como um pássaro que guarda seu ninho” , e protegeu a Israel do anjo destruidor.

O termo Páscoa do hebraico “Pesah’’  “pular além da marca ou passar por cima”

  • Assim o sangue de Jesus é para a vida do crente (Hb 9.22; I Pe 1.19) Ele nos dar livramento

5.3  O cordeiro pascoal era sacríficio substituto em favor de cada primogênito e de cada família de Israel. (9 Ex 12.27)

  • Assim Cristo é nosso eterno cordeiro pacoal e substituto. (Rm 3.25; I Co 5.7)

5.4  O cordeiro deveria ser escolhido, “sem mácula” ( Ex 12.5)

  • Assim Cristo o cordeiro de Deus, sem mácula e sem defeito. ( Jo 8.46; Hb 4.15)

5.5  Toda a família deveria alimentar-se do cordeiro, isso representaria a identificaçao de cada família com o cordeiro e a garantia do livramento que viria pela graça mediante o sangue aspergido em obediência. (Ex 12.3-7;  I Co 11.24-26)

  • A eficácia do sacrifício de Jesus já foi comprovada, por isso pelo seu sangue ele pode perfeitamente nos livra da condenação do pecado e do julgamento que virá sobre toda terra. (Ap 5.9; 22.14)
  • A obediência era essencial, e por isso o sangue aspergido pôde salvar pela obediência seguida de fé. (Ex 12.7,13,28; Hb 11.28; )
  • Também em Cristo pela obediência da fé alcançamos a salvação eterna. ( Rm 1.5 ;16.26)

5.6  O cordeiro assado deveria ser comido com pães asmos e ervas amargas. (Ex 12.28; 13.7)

Isso ensina que suas famílias, suas casas e suas vidas deveriam ser separadas exclusivamente para Deus.

  • O fermento na Bíblia fala de pecado, então não convinha em uma festa que tipificava o livramento pelo cordeiro de Deus, haver algo relacionado com o pecado. A festa dos pães asmos acompanhava a páscoa, e a ordem era abster-se de toda fermentação.
  • As ervas amargas serviriam de memórial para Israel, não se esquecer dos tempos amargos que passara no Egito, e celebrar com júbilo e novidade de vida o livramento do Senhor.
  • Assim também a Igreja é chamada à separação, dedicação e adoração sacrificial a Deus. ( Hb 13.13-15)

O Deus que chamou a Israel também chama a Igreja, gr. “Ekklesia” Chamados para fora. O arraial é o mundo (Egito) e nós como Igreja fomos chamados para fora desse sistema, afim de servir a Deus e oferecer a ele sacrifício de louvor.

5.7  Cristo é o codeiro pascoal da Igreja (I Co 5.7,8)

  • Na última refeição com os discípulos ele come a páscoa judaica e na mesma mesa ele institui a santa ceia em memória dele. (Mt 26.17,18)
  • Cristo é a nossa páscoa ou livramento, não precisamos introduzir nenhum elemento para celebração, a santa ceia é a ordenança do Senhor. 

“Por isso, celebremos a festa não com o velho fermento, nem com o fermento da maldade e da malícia, e sim com os asmos da sinceridade e da verdade.’’ I Co 5.8

Páscoa bíblica

Páscoa bíblica

O senhor diz “meu povo perece por falta de conhecimento’’. A páscoa Bíblica nada tem a ver com o mercantilismo feito hoje em torno dessa celebração religiosa, onde uma roupagem totalmente deturpada da celebração Bíblica veterotestamentária e dos significados da páscoa para o judeu e para o cristão, com a introdução de elementos que nada tem a ver, e que servem apenas para estimular o consumismo das pessoas e encher os cofres da indústria.

Precisamos está sóbrios como filhos da luz, temos o ano inteiro pra comer chocolates seja qual for o formato, e diga-se de passagem que esse coelhinho que é ensinado desde do nosso pré escolar, nada mais é que uma manobra do diabo pra tentar tirá de sena a imagem do cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo e que é o ícone e o personagem principal da páscoa, Jesus o messias. Amém… Feliz páscoa para todos! http://missoesfogoegloria.blogspot.com/