Obesidade e Ginecomastia

A ginecomastia é um problema muito mais comum do que se imagina. Ela é definida como um aumento nas mamas masculinas e pode atingir os homens em diferentes idades. Esse distúrbio possui diversas causas e é bastante desconfortável. Seios com aspecto feminino podem causar problemas de autoestima, vergonha de tirar a camisa em público e, possivelmente, problemas de ordem psicológica. A boa notícia é que há tratamento.

Causas

A ginecomastia é causada quando os níveis de testosterona (hormônio ligado ao desenvolvimento de atributos masculinos) e de estrogênio (hormônio ligado ao desenvolvimento de atributos femininos) encontram-se em desequilíbrio. Há fases da vida em que isso é comum, como em recém-nascidos, nos primeiros anos da puberdade e também em idosos (ao entrar na andropausa – fase em que a produção de testosterona diminui).

A predisposição genética é importante, mas a ginecomastia também pode ser causada por outros fatores. Problemas como tumores, hipertireoidismo e hipogonadismo podem causar a condição. O mesmo pode ser dito do consumo de determinadas substâncias, como drogas (maconha e cocaína), álcool, esteroides anabolizantes e alguns medicamentos (antibióticos, anti-hipertensivos e medicamentos para problemas gástricos).

Qual a relação entre ginecomastia e obesidade?

Em indivíduos obesos, é natural que haja um acúmulo de tecido adiposo (gordura) na região das mamas. Essa condição, no entanto, é definida como lipomastia ou pseudoginecomastia, uma espécie de ginecomastia “falsa”. Essa diferenciação é necessária porque os casos de ginecomastia legítima registram um aumento nas glândulas mamárias, e não apenas na gordura da região.

Nos casos de ginecomastia “verdadeira”, a obesidade também pode ser uma das causas. Isso ocorre porque, no tecido adiposo (gorduroso), existe uma enzima chamada aromatase. Essa enzima converte os andrógenos (hormônios masculinos, como é o caso da testosterona) em estrogênios. Dessa forma, os indivíduos obesos (com mais tecido adiposo) registram também um relativo excesso de estrogênio, que pode desencadear a ginecomastia.

Obesidade e Ginecomastia

Como diferenciar a ginecomastia da lipomastia?

Nos casos de ginecomastia, o aspecto das mamas apresenta consistência mais firme em decorrência do aumento registrado nas glândulas mamárias. Quando o aumento nas mamas se deve exclusivamente ao acúmulo de gordura na região, a lipomastia, as mamas apresentam consistência amolecida.

Há tratamento?

Sim. Boa parte dos casos de ginecomastia tem regressão espontânea quando as causas são corrigidas, ou seja, quando o indivíduo emagrece, passa das fases mais propensas, trata as doenças relacionadas e abandona as substâncias que poderiam estar causando o problema. Quando não há regressão espontânea, é necessário consultar um médico, que poderá receitar o tratamento medicamentoso ou a cirurgia corretiva. A decisão acerca do tipo de tratamento se dá por meio de avaliação clínica, que considera fatores como presença de dor, grau de evolução do quadro e condições psicológicas do paciente.