O que se passa na Cabeça do Assassino de Realengo

Com acesso às cartas encontradas pela Polícia Civil na casa do atirador Wellington Menezes de Oliveira, 23 anos, que matou 12 estudantes e feriu outros 12, na última quinta-feira (7), na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, zona oeste do Rio de Janeiro.

O assassino demonstra verdadeira fixação pelos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos.

Em um texto bastante confuso, Oliveira mistura o atentado às Torres Gêmeas, em Nova York, a países orientais.

Carta aonde Assassino fala sobre as Torres Gêmeas

Carta aonde Assassino fala sobre as Torres Gêmeas

Os textos deixados pelo atirador mostram também uma confusão religiosa. Ele cita que, como a família, freqüenta a igreja Testemunhas de Jeová. Mas em outros momentos ele revela que lê o Alcorão, livro sagrado da religião Islâmica.

Carta que o assassino cita o alcorão

Carta que o assassino cita o alcorão

O atirador de Realengo demonstra uma insatisfação com a sociedade. Em vários trechos, ele fala sobre as injustiças sociais e atribui “a Deus o julgamento final das ações que ele considera erradas”.

Em algumas cartas, ele lembra casos bullying que teria sofrido na escola: “Muitas vezes aconteceu comigo de ser agredido por um grupo e todos que estavam perto debochavam”.

O atirador destaca também que os próprios pais não acreditam nele.  A justificativa é a “falta de fé”.

Oliveira lembra casos recentes de assassinatos e, segundo os escritos, assume a autoria do atentado na escola de Realengo.

– Não sou responsável por todas as mortes que ocorrerão, embora meus dedos serão os responsáveis por puxar o gatilho.

Uma das partes mais intrigantes das mensagens deixadas pelo atirador são as menções a um possível grupo, em que dois nomes são citados. Abdul e Philipe são mencionados como “amigos”. Em um trecho, Oliveiran culpa Philipe por usar seu computador para acessar conteúdo pornográfico na internet.

Nada justifica o que ele fez com as 12 crianças mortas as 10 feridas e as que ainda sofrem com o trauma do dia em que o assassino entra na escola e destrói o seus sonhos e um futuro brilhante na frente.

Só nos mostra que devemos procurar mais qualidade para nossa vida e preocupar com nossos filhos o que eles fazem na internet.