O Que é Cardiopatia Dilatada em Cães?

Seu cão está meio estranho, se recusa a fazer exercícios e parece que de uma hora para outra começa a engordar muito. Você leva-o ao médico veterinário que diagnostica algo chamado “Cardiopatia dilatada em cães”. Mas o que é isso? Entenda melhor essa doença.

Cardiopatia Dilatada em Cães

Cardiopatia Dilatada em Cães

Quem pode ter essa doença?

Animais maiores são mais pré-dispostos. Os cães de grande porte ou gigantes sofrem mais com essa doença. Raças como Scottish deerhounds, São Bernardo, Doberman , boxers, , Afghan hounds, Newfoundlands e Pastores Ingleses tem maior probabilidade de tê-la, mas cães de pequeno porte não estão livres dela. Os da raça cocker spaniels americano ou inglês e o pinscher tem maior possibilidade de ter essa doença entre as raças de animais menores.
É mais comum em cães idoso e em machos.

O que é essa doença?

Entenda como funciona essa doença. A palavra “cardiomiopatia” é porque é uma doença cardíaca e dilatada é porque o músculo que forma o coração está fraco e já não consegue fechar como deveria para bombear o sangue corretamente. Como o sangue não chega na força e pressão adequada a todo o corpo porque o coração está com o músculo fraco, o cãozinho pode ficar apático, mais quieto e até desmaiar.

Sinais clínicos

Você notará seu cão mais quieto e inchado. O que será notado é que o cãozinho que era feliz e brincalhão começa a ficar calmo, se cansar rápido e preferir ficar quietinho ao invés de brincar. Ele pode também começar a inchar, devido a retenção de liquido, ficar com a veia do pescoço saltada ou com inchaços no tórax e abdômen. Secundário a isso pode ter o aumento de peso e dificuldade para respirar. Em casos mais graves pode até desmaiar. Muitas vezes tosses são notadas e caso o cão não esteja retendo líquido, ao invez de notar que engordou, notará uma perda de peso acentuada.

Ao levar a uma clínica para ser examinado por um médico veterinário, este pedirá alguns exames como o raio x e notará que o coração está maior do que devia, está fazendo um barulho diferente que indica sopro ou arritmia. Então pedirá um exame chamado de ecocardiograma, que é um tipo de uma ultra-sonografia do coração, assim saberá a gravidade do caso.

O prognóstico é sempre reservado, ou seja, a convivência com essa doença não é fácil. Em alguns casos o prognóstico é ruim, pois as alterações cardíacas encontradas pelo profissional já são muito severas.

Meu cão tem essa doença, ele será curado?

Não há remédio específico para a doença. Infelizmente não há um tratamento específico que leve à cura para essa doença. Há raríssimos casos no qual espontaneamente o coração volta a funcionar e ter o tamanho normal. O tratamento é para diminuir os sinais observados e fazer com que o animal possa viver mais e bem e conviver com a cardiomiopatia.

Animais que apresentam retenção de líquido são comumente medicados com furosemida, que ajuda a evitar o acúmulo de líquido. A Digoxina é frequentemente usada para evitar e controlar alterações neurológicas. E inibidores de angiotensina (que é uma enzima do organismo) ajuda a controlar casos de insuficiência cardíaca mais grave.

Atualmente há uma técnica cirúrgica que é usada e indicada em alguns casos. Trata-se da colocação de um dispositivo denominado Myosplint que ajudará o coração a fazer o seu trabalho. Como toda cirurgia, o procedimento é bastante delicado, perigoso e nem sempre será usado.

Diversos outros medicamentos podem ser prescritos pelo médico veterinário a fim de reduzir os sinais clínicos e deixar a vida do cão melhor, dentre eles a taurina, que é um aminoácido bastante importante para o funcionamento cardíaco. O tratamento deve ser seguido corretamente, respeitando os horários e quantidades recomendadas pelo profissional. Nunca faça alterações ou dê remédios indicados por vizinhos, amigos e parentes, pois pode matar seu animal. Cuidado!

Há prevenção?

Deve-se levar o animal ao médico veterinário desde novinho para acompanhamento. Inicialmente é bom evitar colocar cães que tenham essa doença para se reproduzir, assim evita-se que tenham filhotes doenças também. É importante levar o animal ao médico veterinário com freqüência, assim qualquer alteração existente no coração pode ser observada e analisada com rapidez. Muitas vezes o cão já está doente e não é notada nenhuma alteração no comportamento, só com o exame clínico que o médico veterinário descobrirá que algo não está indo bem. Quanto antes o diagnóstico for feito mais efeito terá o tratamento e provavelmente por mais tempo seu cão ficará ao seu lado.