Tablet – Vilão ou Mocinho no Desenvolvimento da Leitura no Brasil?

Tablet e a leitura no Brasil

Tablet e a leitura no Brasil

A leitura no Brasil é quase inexistente. Há pouco incentivo e vemos cada dia mais esse abito desaparecer. Além disso, a desigualdade que reina no Brasil não desaparece nesse segmento. Nas grandes cidades mesmo não havendo número suficiente de bibliotecas, encontramos algumas, com número de exemplares relativamente grande e com facilidade de cadastro. Sendo assim, por que lemos tão pouco?

Razões da pouca leitura no Brasil

Segundo dados da última pesquisa do instituto Pró-livro, as razões do número tão baixo de leitores são os seguintes: falta de tempo 54%, outras preferências 34%, desinteresse 19%, falta de dinheiro 18%, falta de bibliotecas 15%. Assim, 33% das alegações dizem respeito à falta de acesso real ao livro e 53% dizem respeito ao desinteresse pela leitura.

Falta incentivo, falta meios de aproximação dos livros enfim falta a cultura de leitura. Nesse cenário nada promissor chegam os tablets.  Usados como uma alternativa aos livros além de muitas outras funcionalidades eles chegam com força toda. Seria motivo para preocupação ou comemorações?

Vantagens do tablet

Para os mais tradicionalistas o tablet, que pode armazenar fotos, inúmeras músicas, assistir vídeos e jogar games entre outras funções, pode ser causador de maior desigualdade entre os que podem ou não adquirir o aparelho ou pior ainda se livros passarem a ser feitos principalmente para esse formato midiático a exclusão seria maior ainda.

Já para os mais entusiastas da tecnologia a possibilidade de ler em um dispositivo em forma de prancheta, leve com tela sensível ao toque e teclado virtual é um incentivo a mais. Principalmente por que a quantidade de folhas não será visível. A leitura simplesmente vai acontecendo sem muita noção da quantidade de páginas já folheadas.

Sem muito extremismo é preciso considerar as vantagens da tecnologia. Ela está aí e não há por que relutarmos tanto em aderir. No entanto parece muito apocalíptico considerar o fim dos livros convencionais. Eles não desaparecerão. Haverá sempre quem prefira tocar e sentir o cheiro de um livro.