O Impulso dos Foguetes

“Se o céu era o limite, o homem tinha de desenvolver uma tecnologia nova de propulsão para levar pessoas ao espaço. A solução veio a apartir de uma arma de guerra: os foguetes alemãe V-2, usados na Segunda Guerra, deram a largada para a conquista espacial.”

Quando os chineses criaram a pólvora, entre os séculos IX e X, não imaginavam que o invento seria a inspiração para os foguetes que levaram à exploração espacial quase mil anos depois. O explosivo era usado em cerimônias religiosas em que se atiravam tubos de bambu com pólvora ao fogo. Os chineses acreditavam que o barulho da explosão afugentaria espíritos malignos.

Observando o efeito da pólvora, decidiram realizar um experimento: instalar um pavio no tubo. Quando acesos, os bambus subiam como fogos de artifício. Logo perceberam que o aparato poderia funcionar como propulsor de outros objetos – ou seja, como foguetes. Os chineses tiraram proveito da descoberta para aperfeiçoar instrumentos de guerra. Registros indicam que, no século XIII, o exército chinês amarava flechas aos bambus com pólvora para tentar impedir a invasão dos mongóis.

Missão: Lua

Anos depois, os rudimentares foguetes chineses tornaram-se conhecidos de povos europeus e árabes. Séculos mais tarde, deram origem aos foguetes modernos.

Em 1903, o cientista russo Konstantin Tsiolkovsky afirmou que o foguete poderia ser a solução para a tão sonhada conquista do espaço. O primeiro a lançar um foguete com fins espaciais foi o físico norte-americano Robert Goddard, em 1926. Mas a alegria durou poucos segundos: o aparelho subiu 40 metros e espatifou-se no chão logo em seguida.

O marco na historia dos foguetes ocorreu no final da Segunda Guerra Mundial.

Os alemães aterrorizaram Londres com os V-2, desenvolvidos pelo engenheiro Werner Von Braun. Esses foguetes viajavam centenas de quilômetros a grandes altitudes, carregando bombas avassaladoras. Concebidos de arma de destruição, os V-2 serviram como base para futuros foguetes. Com o final da guerra, Von Braun e outros engenheiros passaram a trabalhar no programa espacial dos Estados Unidos. Foi dele o projeto do Saturno V, o foguete de 110 metros de altura que levou a nave Apolo 11 à Lua.

Ação e reação

O foguete obedece à Lei da ação e reação. Os gases expelidos pela explosão do combustível em seu interior são lançados para baixo, empurrando-o para cima. O foguete funciona, em geral, em três estágios. Cada um deles nada mais é do que um foguete com motor e combustível. Ao fim combustível do terceiro estagio, a nave, já no espaço, passa a funcionar com o seu próprio motor.