Meus Dois Pares de Chinelos

Passei muito tempo andando descalço na minha infância, pois meus pais não tinham condição de calçar meus pés, isso quando eu não usava sapatos emprestados dos outros. Eu adorava olhar para os pés das pessoas, porque elas desfilavam todas as umas com os seus sapatos, sandálias, chinelos que chamava atenção de todo mundo! Um dia, passando enfrente uma loja, vi na vitrine um par de chinelos bem diferente que os chinelos que tinha visto antes, eles eram gordos, achatados, brilhantes e cheios de flores em suas alças. Desde que o conheci, não consegui tira-lo de minha cabeça por ser tão bonitos.

Falei um dia com meus pais, quando passamos enfrente a loja:
– Olham aquele chinelo Compre-os para mim? – Não temos condições meu filho, disseram eles!
Eu não me casava de ficar olhando aquele chinelo tão brilhante na vitrine, a minha presença todos os dias enfrente a loja, acabou chamando atenção do comerciante que se aproximou de mim e disse:

– Estou vendo que você gosta mesmo destes chinelos menino, não é? Como se chama?
– João, gosto muito, ele é lindo! Quanto custa? – Uns 15 cruzeiros e 6 centavos, espere um pouco menino, tome esse presentinho e só volte aqui, quando estiver bem pesadinho. Era um cofre de porquinho feito de barro.

Fiquei alegre e triste ao mesmo tempo ao sair da loja, pois não sabia como encher aquele cofrinho, com a cabeça baixa, sentei na calçada e pensei: – Como vou encher este cofrinho se não trabalho? Até que tive uma ideia: Vou ajudar as vovozinhas atravessar as ruas, quem sabe assim eu consigo juntar um montão de pratinhas e compro o chinelo que encantou meu coração!

Comecei a trabalhar duro: Nas ruas eu as ajudava atravessar, no mercado eu carregava as bolças de compras até o carro delas com muita alegria, o serviço foi crescendo tanto que fiquei conhecido e famoso no meu bairro.
Quando percebi que o cofrinho estava pesado, corri para o estabelecimento, chamei o senhor Antônio e juntos quebramos o cofre em forma de porquinho feito barro, então tive uma grande surpresa! O dinheiro juntou tanto que deu pra comprar não só um par de chinelos, mas dois pares dos chinelos da china.