Manutenção de jardins

O rápido processo de industrialização assistido pela humanidade na década de 1900 até os dias atuais trouxe uma série de benefícios, entre eles os grandes progressos em pesquisa e desenvolvimento. Inicialmente voltado para o desenvolvimento de novos produtos e serviços, esta grande onda acabou por se tornar parte inseparável de nosso modo de vida, facilitando o dia a dia e respondendo por grandes avanços na medicina e na produção de alimentos, por exemplo.

Porém, esta mesma industrialização, feita de maneira descontrolada, acabou por cimentar grandes partes da superfície dos centros urbanos, tornando o espaço para parques e jardins cada vez menores. Porém, com movimentos pró-ecologia que ganharam força a partir de 1990, espaços assim passaram a ser cada vez mais valorizados financeira e socialmente, tendo se tornado locais de fuga para moradores da estressante cidade grande.

Com a valorização destes espaços verdes, cresceu também a demanda por profissionais que cuidassem desses locais, mantendo a grama aparada e os galhos a mais podados, além de outras providências como regas, adubação, etc. Junto desta demanda, surgiu a indústria especializada no desenvolvimento e na produção de ferramentas adequadas para os variados tipos de serviços requeridos por esta atividade chamada “manutenção de jardins”. Afinal, seria descabido esperar que toda esta manutenção fosse feita, até os dias atuais, com facão e tesourão! E surgiu também a necessidade de resguardar a segurança dos funcionários especializados nesta área, já que a profissão envolve alguns riscos.

Uma verdadeira couraça

É-fundamental-que-os-uniformes-profissionais-estejam-presentes-para-a-manutenção-do-jardim.Quando vemos um jardim bem cuidado, não imaginamos como foi trabalhoso deixá-lo naquelas condições. A grama aparada com esmero, galhos secos removidos das árvores para evitar que caiam sobre as pessoas, flores delicadamente plantadas e adubadas, e todo o jardim regado na quantidade correta. Tudo isso pediu estudo prévio e o empenho de uma equipe dedicada no momento da execução. Jardins são paisagens delicadas, mas a jardinagem em si não tem quase nada de delicado!

Os profissionais que atuam nesta área, os jardineiros, precisam estar sempre protegidos para evitar ferimentos, que podem acontecer a qualquer momento durante a execução de seus trabalhos. Por isso, seus uniformes profissionais são específicos para a função e cada um de seus itens é indispensável.

Só para começarmos, as calças e as blusas devem ser longos – nada de shorts, bermudas nem regatas, principalmente na hora de aparar a grama. Pode parecer uma atividade inofensiva, mas, especialmente agora que os cortadores portáteis se popularizaram, os acidentes de trabalho se tornaram mais frequentes. Estes cortadores têm o fio de corte protegido apenas em parte, com uma peça que lembra um para-lamas de carro. Essa proteção é necessária porque a velocidade do fio é tão alta que pode arremessar gravetos e pedriscos na direção do operador. Entretanto, este “arremesso” também pode acontecer pelas áreas que não cotam com este protetor, podendo causar ferimentos no funcionário. Por isso é importante que seus braços e pernas estejam bem protegidos.

Sapatos fechados (preferencialmente botas de cano alto) também são obrigatórios pelas mesmas razões – e também para evitar que entrem pedras e lascas de galhos por dentro do calçado, ferindo os pés do jardineiro, além de acidentes com insetos, como aranhas e, dependendo do local, até mesmo escorpiões.

Devido ao risco de pedras e gravetos serem lançados pelo cortador, os óculos de proteção também são importantes. A velocidade que estes objetos podem atingir são muito altas e não há tempo para desviar o rosto antes dos olhos serem atingidos. Como nem sempre os ferimentos deste tipo soa reversíveis (ou seja, há risco de cegueira permanente), é melhor usar os óculos, mesmo que pareça desnecessário.

Entre galhos e flores

A-podagem-precisa-ser-realizada-com-cuidado-por-conta-dos-materiais-utilizados.A poda dos galhos secos é um momento que sempre requer atenção permanente do jardineiro, pois é um dos momentos com maior potencial de acidentes sérios. Cortar um galho envolve equipamento potente e lascas de madeira voando para todos os lados, além da própria queda do galho. Para este trabalho, é fundamental que o operador da serra esteja com o uniforme completo (roupas longas e bota), óculos e luvas grossas. As roupas o protegerão das lascas de madeira projetadas pela serra; o sapato fechado dará a segurança necessária para que o operador mantenha o equilíbrio durante a operação (especialmente se ele estiver sobre uma escada); as luvas protegerão suas mãos das farpas, já que elas estarão mais próximas da serra e portanto perto das farpas mais rápidas; e os óculos, obviamente, protegerão os olhos da chuva de lascas de madeira que virá contra seu rosto.

A lida com flores é aparentemente inofensiva, mas guarda um risco importante: o envenenamento por adubos químicos. Alguns trabalhadores se recusam a usar luvas neste momento por julgarem que o trabalho com plantio de flores “não é nada demais”, ou por motivos que envolvam demonstrações de força e “macheza”. Entretanto, o uso de adubos químicos (como aqueles granulados, de uso doméstico) deve ser feito com muita cautela pois o próprio contato com a pele das mãos pode causar reações alérgicas graves. Se num descuido o jardineiro passar as mãos na boca ou próximo dela após manusear o produto, pode ocorrer um grave envenenamento. Ao usar luvas, as mão não entram em contato com o químico e este risco é afastado.

Quem diria que, para mexer com algo tão delicado quanto um jardim, seria necessária uma proteção tão pesada!