Lentes de Contato – Suas Variedades e Composições

Lentes de Contato

Lentes de Contato

Elas são as filhas caçulas dos óculos. Além de herdarem a importância para a boa saúde dos olhos humanos, trouxeram agregados e caíram no gosto de grande parte da população.

Sim, elas são as lentes de contato. Assim como os “pais”, ajudam a corrigir problemas oculares, como miopia, hipermetropia, ceratocone e astigmatismo, e ainda têm a vantagem de não comprometer o aspecto estético de ninguém.

As lentes de contato podem ser classificadas de três maneiras: rígidas (duras), gelatinosas (moles) e silicone-hidrogel (moles).

As lentes de contato rígidas gás-permeáveis são produzidas com materiais mistos (orgânicos e inorgânicos). As características principais desses materiais são a sua permeabilidade aos gases (notadamente oxigênio e gás carbônico), flexibilidade e leve absorção de água (o suficiente para manter um ângulo de umectação de 25º a 30º).

Com vida útil estimada em um ano, são indicadas para casos de ceratocones, astigmatismo de córnea, casos pós-cirúrgicos. Elas são ideais para pessoas com alergia a produtos de limpeza de lentes de contato hidrofílicas.

Já as lentes gelatinosas são feitas de materiais siliconados e fluorcarbonados. Confortáveis desde o primeiro dia de uso, raramente se deslocam, mas proporcionam menor nitidez em alguns tipos de astigmatismo. Outro problema é a maior facilidade para formação de depósitos, contaminações e infecções. Fato com que faz que sua limpeza seja mais rigorosa.

Elas são recomendadas para quem está em fase de adaptação do uso de lente, são mais confortáveis, baratas e adequadas para a prática de esportes porque dificilmente saem dos olhos e, em caso de acidente, não oferecem risco ao usuário. Podem ser usadas por muitas horas seguidas, dependendo apenas da tolerância individual.

Mais recentemente foram lançadas as lentes de silicone-hidrogel, elaboradas com produtos existentes nas lentes rígidas gases-permeáveis e nas gelatinosas.

Com a introdução do silicone no material hidrofílico, essas lentes dinamizaram sua capacidade de permeabilidade ao oxigênio. Em consequência, a quantidade de água não aumenta e a oxigenação é ampliada entre 3 e seis vezes.

Isso significa que o metabolismo da córnea sofre menos interferências e o uso das lentes pode ser feito de forma contínua, ficando até alguns dias sem a necessidade de retirá-las.

No Brasil, são produzidas as lentes Semi-Scleral Bastos (SSB). Elas são indicadas em casos de síndrome de olho seco severo, síndrome de Stevens-Johnson, síndrome de Sjögren, entre outras neuropatias da córnea.

Elas também são utilizadas em pacientes com córneas com grande astigmatismo irregular e que precisam de correção ótica quando as demais lentes rígidas, gelatinosas ou híbridas não possibilitam uma boa adaptação.

Vale enfatizar que somente uma avaliação médica dirá qual a melhor lente a ser usada.  O diagnóstico do oftalmologista revelará que a lente ideal é a que fornece melhor visão, conforto, satisfação e mantém uma boa saúde ocular para o paciente.

Fonte: Lentes de Contato: As Filhas Caçulas dos Óculos

?