Inmetro certifica peças automotivas específicas

Em qualquer um dos países considerados desenvolvidos, há um rígido sistema para a certificação de peças automotivas. É proibida a comercialização desses itens sem que ostentem selos de certificação de algum órgão credenciado pelo governo. Em comparação a estes países, o Brasil encontra-se em clara defasagem, já que são recentes as iniciativas de que as fábricas de autopeças tenham seus produtos certificados dentro de parâmetros preestabelecidos.

Numa tentativa de reverter essa realidade, o Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) publicou, em julho deste ano, uma lista com todas as autopeças passíveis de certificação compulsória, isto é, obrigatória. A lista contempla 17 itens, mas fluido de freio e catalisador já eram certificados anteriormente. A ideia dos programas de certificação é evitar que o consumidor brasileiro continue adquirindo produtos sem qualquer tipo de fiscalização ou controle de qualidade.

A certificação de autopeças teve início em 2009, com a publicação dos regulamentos. Desde então, fabricantes, importadores e comerciantes tiveram períodos definidos para se adaptarem às novas regras.

Produtos

Os seguintes itens precisam do selo do Inmetro para que tenham sua comercialização legalizada: amortecedor de suspensão, anel de pistão, bomba elétrica de combustível para motores do Ciclo Otto, bronzina, buzina ou equipamento similar, lâmpada para veículos automotivos, pino e anel de trava (retenção), pistão de liga leve de alumínio, baterias, terminal de direção, barra de direção, barra de ligação, terminal axial para veículos rodoviários automotores (componente da direção), materiais de atrito para freios (lonas e pastilhas), rodas automotivas, vidro de segurança laminado de para-brisas, vidro de segurança temperado, fluido de freio e catalisador.

Inmetro certifica peças automotivas específicas

A instituição do programa de certificação para as referidas peças é de incumbência do Inmetro, mas a fiscalização é de responsabilidade dos órgãos estaduais, os IPEMs (Institutos Estaduais de Pesos e Medidas). Esses órgãos vistoriam os pontos de venda para verificar a presença ou ausência dos selos. Em casos de irregularidades, os IPEMs realizam testes para confirmar se os itens estão ou não dentro dos padrões aceitáveis.

Critérios

Os critérios utilizados para escolher esses 17 produtos não são claros. Há centenas de peças que compõem um veículo, mas a maioria segue sem programas de certificação. Segundo o Inmetro, as demandas da sociedade e a identificação de problemas são os motivos que levam o órgão a implementar os processos de certificação.

Em cada programa, o Inmetro determina métodos para a seleção de amostras que são submetidas a ensaios laboratoriais. O propósito destes testes é verificar se os produtos atingem os requisitos mínimos de qualidade (propriedades físico-químicas) e segurança. Ainda segundo o Inmetro, não foi detectada necessidade de certificação em outros componentes automotivos.