Idade da Pedra Polida

O final da Era do Gelo, por volta de 10 mil a.C., trouxe mudanças determinantes para a humanidade. Com a temperatura mas alta, as geleiras recuaram, a vegetação rala cedeu lugar a  florestas abundantes e os animais, bem adaptados à natureza renovada, puderam se desenvolver e se reproduzir em maior escala. A vida do homem também mudou, inaugurando um novo período: o Neolítico ou Idade da Pedra Polida.

Vida sedentária

Se, por um lado, as alterações de clima e vegetação dificultaram a caça e a coleta, também possibilitaram novos hábitos ao forçar o homem primitivo a investigar alternativas para sobreviver. A grande transformação – que marcou o Neolítico e modificou de forma progressiva o modo de vida – foi a agricultura.

As comunidades estabeleciam-se em uma região, para plantar e colher seu próprio alimento – ou seja, abandonaram a vida nômade para adotar o sedentarismo – iniciativa essencial para o desenvolvimento da espécie.

As primeiras atividades agrícolas completavam a alimentação, baseada em carnes e peixes. Quanto mais plantava e colhia, mais alimento gerava e, consequentemente, mais a população aumentava. Com a formação de aldeias, a agricultura tornou-se o centro das relações humanas. Assim, o homem aprendeu a viver em sociedade.

A agricultura exigia organização do trabalho. A colheita dividia-se entre os moradores da aldeia e, na maioria das vezes, o patriarca cuidava da distribuição da água.

Objetos e Casas

O homem introduziu a técnica do polimento na confecção de objetos com pedras. Depois de lascá-las, ele esfregava-as, polindo e afiando as peças. Assim apareceram os primeiros modelos de facas, agulhas, machados, anzóis e lanças, bem como utensílios – pilões, pratos e vasos. Nessa época, o homem também produzia objetos com cerâmicas, como potes, jarros e bacias, além de construir casas de madeira revestidas com argila.

Evolução do raciocínio

Percebeu-se que a caça, praticada desde os antepassados, não era a melhor solução para saciar a fome. Concluiu-se que seria mais vantajoso domesticar cabras, carneiros, porcos e outros animais, para fornecerem a carne e subprodutos – como leite e lã – e força de trabalho no transporte de carga.

O cultivo da terra propiciou outro salto evolutivo. Pela primeira vez, o homem refletiu sobre os fenômenos naturais que ainda não tinha explicação racional, como o Sol, a chuva e a água.

Ele notou, por exemplo, que havia relação entre as fases da Lua e os períodos de plantio e colheita. Surgiram os primeiros questionamentos sobre assuntos abstratos, como a vida, morte, amor e deus.

As próximas gerações humanas ampliaram as crenças e os costumes primordiais, dando sequencia à evolução cultural, ao mesmo tempo que aprimorariam as tecnologias, aplicando novos métodos na agricultura e na fabricação de ferramentas e materiais.