Gambiarra pra quê?

O brasileiro. Povo maravilhoso, tranquilo, feliz, receptivo e de bem com a vida. Nada é tão sério que não possa ser resolvido ou tire o seu bom humor. “Qualquer coisa é só dar um jeitinho e tá tudo resolvido”. Porque comprar um novo se eu mesmo posso improvisar alguma coisa ou simplesmente montar uma gambiarra e está pronto? Pois é, com certeza você já deve ter passado por esse tipo de situação ou escutado alguma dessas frases por aí.

Temos um tradicional costume de repentinamente, assim que precisamos de alguma coisa que não está funcionando corretamente, desenvolver técnicas profissionais para resolver todo e qualquer tipo de probleminha de um “jeitinho brasileiro”. Mas também não preciso ser rigoroso de falar que isso nunca vai servir ou até doido de falar que nunca utilizei o jeitinho brasileiro para resolver alguns probleminhas também. Mas têm gente que acaba exagerando nisso aí. Por isso, é bom que algumas situações possam ser levadas com um pouco mais de cuidado, porque se a solução encontra de momento não tiver resolvido o problema, é perigoso que alguma coisa possa se sair errado.

O mestre de obras

Os-profissionais-também-se-arriscam-bastante-para-cumprir-com-suas-atividades-profissionais.Se engana aquele que pensa que só os donos de casa são quem se arriscam em atividades perigosas, porque até mesmos os profissionais que mexem com esse tipo de atividade também não são isentos desse tipo de risco. Durante o expediente, é muito comum ver esse tipo de coisa acontecer, e por um motivo ou por outro deixarem de fazer o procedimento da maneira correta.

Por exemplo, o pedreiro está responsável por cavar um espaço em uma determinada área de construção, e pelo tipo de solo e suas características encontradas, ele entende que é necessário que seja usado uma alavanca para o serviço. Então ele descobre que no lugar da obra eles não tem esse tipo de equipamento, e por isso, começa procurar algum jeito de resolver, e acaba achando uma cavadeira reta e a usa para resolver o seu problema. Para este caso, a situação pode ter sido resolvida, mas pode saber que é bem provável que a ferramenta usada de forma errada ou até mesmo o solo dependendo da situação, podem acabar com seus estados comprometidos, podendo resultar em alguns problemas mais pra frente.

Ou então, o que acontece com extrema frequência é que esses profissionais quebram uns galhos e fazem uns bicos por fora do expediente, e por não contar com as ferramentas e equipamentos necessários, acabam improvisando algumas coisas e assim se arriscando sem necessidade.

Fazendo arte em casa

O-risco-para-pinturas-externas-de-imóveis-é-muito-grande-se-não-estiver-com-os-equipamentos-corretos.E então entra o caso da grande maioria, que somos nós mesmos. E não precisa ser nenhuma situação complicada para começar a improvisar ou a fazer gambiarra. Uma situação bem fácil é a de pintar a casa pelo lado de fora. Pra economizar uma graninha sem alugar escoramento metálico ou os tradicionais andaimes, o cidadão me improvisa uma mesa velha ou então junta dois cavaletes e uma escada pra dar sustentação e resolver toda a situação. Resultado? Você já deve imaginar que ele tomou um belo de um tombo e não conseguiu resolver a pintura como imaginava.

Por isso, é importante focar que certas coisas não podem ser improvisadas ou substituídas incorretamente. Se for fazer qualquer atividade que envolva qualquer tipo de risco, prepare-se e não caia no costume de dar um jeitinho para resolver o seu problema. Se preciso, chame o profissional para que ele possa dar um trato e resolver tudo corretamente.