Final Feliz nos Relacionamentos

Todo final de relacionamento é infeliz, ou seja, causa dor, angústia, ressentimento, mas hoje eu queria focar um término de relacionamento diferente.

Talvez esse possa ser o seu caso, duas pessoas que estão juntas, mas infelizmente o relacionamento não vai nada bem, uma das partes esta infeliz, talvez porque você perceba que o jeito do relacionamento não esta bom, isso por causa de vários motivos, a sua parte racional diz para você, que é hora de terminar, as causas podem ser a imaturidade do companheiro, ou algo que você não deseja para você, isso é muito comum, alguns clientes me falam sobre seus relacionamentos problemáticos e preferem se separarem ao invés de manterem contato com um companheiro que não preenche os seus ideais, às vezes não trabalham, ou não dão atenção correta, não se envolvem, não planejam, não ouvem, ou mesmo brigam, esses fatos tem o poder de separar, afinal estão fazendo com que seu companheiro sofra.

Mas o interessante é que isso gera conflito.
Pessoas que amam, mas não possuem uma boa relação, ou seja, o lado racional sabe que aquela pessoa não é o seu ideal, que aquele modelo que idealizamos para nos completar não esta presente nesta pessoa, mas o lado emocional já fez seus fortes laços, no final só podemos ter conflito,então nessa hora peguntamos : -O que fazer?
Ouvir as minhas mais profundas razões, que realmente sabem que não vai dar certo ou ouvir a minha emoção, o amor, o carinho, dentro de mim?
Realmente está é uma das questões de profunda dificuldade, nas quais pessoas passam e precisam decidir.

Decisão não é uma coisa tão simples e fácil, um passo do lado errado, e uma nova rede de situações são criados, portanto saber decidir é fundamental.
Determinadas pessoas seguem a razão, separa-se dos companheiros, mas com o tempo são derrotadas pela esmagadora força emocional, pois como dizem: o coração dói, a mente parece criar a todo instante imagens e flashes de um passado maravilhoso, fazendo com que esqueçamos as diferenças e criamos a dinâmica de todos os momentos maravilhosos, mesmo sabendo que não é bem assim.

Um de meus pacientes relatou que desistiu de um relacionamento, pois sua companheira era muito infantil e não conseguia dar-lhe segurança para seguirem juntos, resultado, longos cinco anos de angustia e dor, ele lembrava da parceira em todos os momentos do seu dia-a-dia e não conseguia se livrar da angustia, mesmo assim seguia adiante, pois sabia que aquele relacionamento traria mais e mais sofrimento do que este momento que estava passando, depois desse período ele conseguiu se relacionar com outra pessoa e hoje mais amadurecido esta vivendo um relacionamento muito melhor.

Outro paciente me relata que aquele companheiro não era o ideal, ela sabia disso, e tentou terminar por diversas vezes essa relação, ai cria-se o efeito iô-iô, ou seja, vai e volta, o que causa mais e mais traumas na relação, mas no final ela não conseguiu ficar por muito tempo longe, reataram, e viveram de uma maneira infeliz por muitos anos até o rompimento definitivo.

Você vai me perguntar: e agora o que eu posso fazer?

Em verdade eu sempre sou a favor de se tentar um pouco mais, mas antes de se tentar, é necessário dar-se um tempo para resolver a questão do que se quer realmente, isso é fundamental, e assim no retorno estabelecer de uma maneira madura e transparente o que cada um quer, como um contrato, sei que isso soa de uma maneira estranha, contrato e amor, mas na verdade não é contrato e amor, você viu que nos exemplos acima, ambos possuem amor, o problema não é amar, o problema é se relacionar, e isso exige muita transparência e paciência, às vezes até algumas renuncias e regras, portanto se você decidir reatar o seu relacionamento, nada mais justo do que se sentar a dois, depois de um tempo de reflexão e conversarem sobre o que querem, não impondo, mas sim mostrando o que cada um tem de melhor para ofertar.

Quando conseguimos colocar no relacionamento essas pequenas regras, tudo flui melhor.
Funciona mais ou menos assim:

Imagine que você não gosta que seu parceiro vá jogar bola todos os dias, afinal você fica sem o contato intimo, você precisa de um momento de atenção, mas isso vem ocorrendo, e a perda de companheirismo e atenção acaba por se dissolver, depois disso todo o relacionamento entra em pane, e o inevitável irá acontecer, é claro que isso não é de uma hora para outra, é algo acumulativo.

Se você observar bem, as coisas chegam a um ponto desesperador, tudo por causa de não se estabelecer uma regra simples, que tal ponderarmos e dividir a semana em um dia sim e um dia não, e ficarmos juntos nos nossos dias programados fazendo nossos planos de vida a dois?

Isso pode funcionar.
Antes de eu terminar esse artigo eu assisti um filme que exemplifica muito bem essa situação, o nome do filme chama-se amor em jogo, é uma comédia romântica leve que demonstra as dificuldades no decorrer da relação, vale a pena assitir.
No final antes de se tomar qualquer decisão é necessário à busca de saídas estratégicas e maduras para que isso não gere mais e mais sofrimento.
Mas se você esgotou com as chances de se entenderem então siga os passos de sua razão, tanto eu como você sabemos que não vai ser uma batalha simples ou fácil, portanto se arme de muita motivação e novos planos.
Faço votos de êxito em sua jornada!

Dr.Paulo Valzacchi (www.autoconhecimento.valzacchi.com.br) é Biomédico, palestrante e professor especialista em saúde emocional. É autor de uma série de CDs de auto-conhecimento. Este texto é um dos temas de suas palestras e cursos. www.meupoder.com.br

  • Antes de se deixar levar pelo primeiro desejo de abandonar o barco, a tentativa de se recuperar o relacionamento de uma maneira lúcida é sempre a opção mais racional, ponderado o sentimento que ainda predominar entre o casal. Excelente artigo.

  • Arthur Kirke

    O diálogo deve sempre ser levado em conta na hora de terminar um relacionamento na tentativa de discutir o porquê de alguma coisa não estar dando certo!

  • Pingback: aprender sobre astrologia()