Experiências nada memoráveis

Alguns momentos marcam a vida de uma pessoa. Certas ocasiões nunca caem no esquecimento, independentemente de quanto tempo isso já tenha acontecido. Mas não pense que estou falando de coisas como casamento, começo de trabalho, começo de namoro ou etc. Para o caso deste nosso artigos, lembraremos das “ótimas” experiências que nos marcam dentro do cotidiano, como tomar injeção, doar sangue e o maior artista de todos, o dentista.

Não adianta. Pode ser o cara mais bravo do mundo, ou a pessoa mais alegre; mas é impossível dizer que nunca foi ao dentista e não ficou receoso dos equipamentos que esse cara coloca na sua boca enquanto está falando com você. E “eu tenho um amigo” que têm algumas histórias engraçadas e um pouco constrangedoras, já que os micos que teve que aguentar não foram pequenos. Mas o que é mais legal de toda essa relação que merece ter ouvidos sobre os dois lados da história, é que tanto o doutor como o “paciente” eram amigos de infância, e o resultado você já quanto o médico resolver compartilhar essas experiências né!?

Eternizando a zuera

Fernando-adorava-aterrorizar-seus-amigos/pacientes.Bem, para começar a história, é importante destacar mais uma vez o nível de amizade desses dois. O dentista, Fernando, o grande bagunceiro da turma desde pequeno; acostumado a pregar peças em todos, mas sempre muito inteligente e ligeiro para aprender as coisas. Decidiu entrar para a medicina, e mais especificamente a odontologia, por influência da família, que já atua na área de algumas gerações passadas. O jeito brincalhão nunca o atrapalhou em nada, e na verdade isso facilitava o contato com seus clientes mais medrosos no consultório.

E para justamente não ter problemas com isso, Gabriel, seu amigo desde pequeno e sistemático por natureza, decidiu optar por fazer seu tratamento e manutenção bucal com o Fernando, até para economizar um trocado e ficar mais à vontade com o amigo. E até que funcionou muito bem no começo. Gabriel precisava colocar o aparelho e toda semana era necessário ir até o consultório para manter as coisas em ordem.

Tudo muito certo, mas chegou uma hora que Fernando não aguentou muito mais. Aproveitou que o motor de implante estava um pouco gasto e fazendo um barulho maior do que o comum, e que precisaria fazer um procedimento mais específico na boca de seu paciente preferido. Já tinha deixado tudo pronto, e resolveu até filmar pra depois mostrar pra toda galera no grupo de bate-papo…

Eh doutor, por essa o senhor não esperava

Fernando-e-a-execução-de-seu-plano-mirabolante.A ideia era bem simples. Começar a consulta normal e seguir para o procedimento. Na hora que começasse a mexer na boca de Gabriel, era fazer uma cara estranha e sair correndo, gritando que o negócio ia explodir. Na teoria pode até parecer meio bobo, mas a atuação desse cara era digno de um Oscar. Dito e feito! Gabriel sentou no consultório Gnatus, tomou o anestésico e a pegadinha foi para a prática. Fernando saiu correndo, e Gabriel levantou atrás e também saiu desesperado, até que PLAFT…

…Tropeçou no fio e acabou derrubando o bendito motor de implante, que apesar de bastante tempo de vida ainda renderia alguns bons meses sem a troca. O resultado não foi como o esperado mas o vídeo rendeu boas piadas por causa do tombo, e principalmente pelo prejuízo causado para o brincalhão, que no final das contas foi quem realmente sofreu com a brincadeira toda.

A sorte é que o equipamento não era dos melhores, e a troca fez com que o dentista comprasse um equipamento melhor, e também aprendesse a lição. Depois disso, todas as consultas se tornarão mais normais, não somente com os seus amigos como também para os seus outros clientes mais engraçados. RSRSRS