Estamos Sofrendo de Heterofobia

heterofobia

Estamos sofrendo de Heterofobia

Sou do tempo em que um homem podia ser homem e uma mulher podia ser mulher, podíamos escolher nossa orientação sexual sem problema algum. Aprendemos com nossos pais que o menino cresce, namora com a menina e se casa com ela, tem filhos meninos ou meninas e podem educa-los segundo os preceitos recebidos dos seus antepassados. Não precisava ter medo de ser homem ou mulher, poderia assumir em público sua opção sexual ou heterossexual. Podíamos seguir a religião que quiséssemos sem sermos taxados de algo ruim.

Hoje vivemos uma grande pressão sobre o que podemos ou não ser, do que podemos ou não ensinar aos nossos filhos, somos censurados por sermos quem somos e por escolhermos o que queremos seguir na vida, religião, princípios ou escolhas do dia a dia. Durante anos recebemos mensagens de programas de TV, onde captamos uma gama de informações imperceptíveis de imediato ao nosso cérebro, hoje estamos vendo o resultado de tudo o que pregavam essas mensagens, formaram nossa opinião e nos transformaram em hipócritas sem raciocínio. Seguimos o que as revistas e programas televisivos nos mandam seguir. Hoje exigem que não podemos mais ser quem somos, em todo programa de auditório, sem exceção, pregam que se você não entra na onda da simpatia, você é contra e isto não é verdade.

O Brasil vive uma grande crise de identidade, vive uma baderna nacional, a corrupção não é mais escondida e nem punida (nunca foi punida), o crime organizado tomou conta do país, apoiado pelo próprio regime de seus governantes que só afrouxam mais as leis, dando chances infinitas de um marginal tirar a vida de quem ele achar que deve e cruze seu caminho. Vivemos a impunidade de crimes simples e hediondos, impunidades de assassinos com idades inferiores a 18 anos que são chamados de menores, as crianças do Brasil, segundo nossa presidenta.

Vivemos uma tremenda inversão de valores, onde quem trabalha não tem as mesmas honras e regalias de quem só vive de roubo, somos massacrados dia a dia pelos altos impostos embutidos em tudo que você possa enxergar. E se tudo isto não bastasse, perdemos o nosso direito de escolher o que somos, o que queremos para os nossos filhos, estamos sofrendo Heterofobia. Sim, segundo grupos de ativistas homossexuais e boa parte da mídia, somos obrigados a apoiar ou sermos simpatizantes, senão somos homofóbicos. Lembro de um programa onde um rapaz que fazia entrevistas travestido, perguntou ao marido da cantora Claudia Leite, se o filho homem dele que iria nascer iria ser homem, “ele vai ser macho”, disse o marido da cantora, a partir daí foi uma chuva de acusações dizendo que ele era homofóbico.

Hoje li uma reportagem em um site conceituado sobre o jogador Neymar, que acabou de chegar à Espanha e já causou polêmica. Um ativista daquele país condenou um comercial que o jogador fez, onde aparecia ele de roupa íntima masculina se exibindo para mulheres e quando aparece um homem no comercial, o jogador corre do local. O ativista pede que o jogador se posicione sobre o assunto homofobia, qualquer coisa agora virou motivo de processo e cobrança de explicações sobre coisas ou problemas que apenas passou na cabeça de alguns.

Eu me posiciono, eu não sou racista, homofóbico ou qualquer outro nome que se possa dar ao preconceito, só que quero o direito que me está sendo tirado, de escolher a minha opção sexual e o que ensinar aos meus filhos. Nem adianta falar que sou católico ou evangélico porque também não sou, mas quero ter o direito de acreditar no que acredito e aqui vai uma ressalta, querem obrigar a igreja em um todo a aceitar regras diferentes daquelas que eles acreditam, isto fere o direito a crença e fere também a Constituição. Aprendi a respeitar as pessoas desde cedo, suas escolhas, fossem elas quais fossem. Meus melhores amigos são negros, admiro os japoneses, mestiços, sem nomenclatura de raça, pois pertencemos a uma só raça, a raça humana. Tenho amigos gays (se é que pode usar essa palavra), não faço nenhum tipo de brincadeira com eles, pois sei o quanto é difícil para eles assumirem, outros nem assumiram, mas são pessoas normais com os mesmos sentimentos de um homem e uma mulher. Só não vou fazer apologia ou campanha, levantando bandeira para que seres humanos iguais a mim tenham direitos especiais que me impeçam de ter os meus direitos. Não vou dar beijo na boca de outro homem para provar que não sou homofóbico ou para mostrar para algum pastou que sou contra as ideias por ele defendidas.

Estão tirando meu direito de pensar, impondo o que é moda, querendo nos fazer aceitar qualquer tipo de coisa que venha na marra, tirando meus princípios, tudo que aprendi e que foi a forma certa que aceitei independente do que pensam os outros, é meu direito. Acusam qualquer pessoa de ser homofóbica, mas o contrário não é verdadeiro? Estamos sofrendo heterofobia, não é a mesma coisa do que nos acusam por pensarmos diferente? Querem nos obrigar a aceitarmos novos preceitos, querem direitos, mas não aceitam os direitos dos outros, querem impor  regra onde as pessoas acreditam em regras diferentes. Não sou contra o que pensam sobre o que escolheram ser e também quero o direito de poder ser quem eu escolhi. Confira a descrição de heterofobia na Wikipédia.