Escolas e Armas

Desde os tempos de criança, somos incentivados pelos nossos próprios pais a sermos cruéis e duros, e a usar armas. Mas, como é isso? Muitos de nós, ao orientarmos nossos filhos para lidar com a vida, os municiamos de sentimentos (se é que assim podemos chamá-los) que vão desde um simples “não mexa comigo!” até um impactante “se mexer comigo, leva bala!”. Promovemos em seus jovens cérebros uma verdadeira revolução, tanto de pensamentos quanto de valores. Ao colocarmos para nossas crianças que elas não podem voltar para casa, após uma briga na escola, derrotadas, e as pressionarmos com ameaças, elas vão se empenhar para resolver o problema na origem, não importando os métodos e meios utilizados.

O que elas não querem, com certeza, é voltar para casa apresentando os sinais de haverem perdido uma luta. Afinal, não foi isto que lhes ensinamos em casa, não é mesmo? Falo, aqui, da maioria dos casos e é evidente que temos muitos belos exemplos de educação primária, em casa mesmo. Todavia e infelizmente, os noticiários dos jornais e televisão corroboram com o que estamos afirmando neste artigo. Por estes dias, acompanhei várias reportagens televisivas, onde pude constatar um caso absurdo de recolhimento de vários tipos de armas, em uma escola para crianças e adolescentes em Feira de Santana, na Bahia.

Foram apreendidas várias facas de diversos tamanhos, estiletes, lâminas coladas na ponta de canetas, revólveres de brinquedo que se parecem com armas de verdade, armas de fogo. Uma das crianças informou que outra aluna, ameaçada pelos próprios pais, levou em sua pasta uma faca de cozinha, para se defender de uma rival na escola de modo a não “levar desaforo para casa”. Outro garoto, de pouco mais de dez anos de idade, levou uma arma de fogo para a sala de aula, pelo mesmo motivo. Nós mesmos estamos mudando os valores de nossa sociedade, e transformando nossos filhos em assassinos potenciais, em homens e mulheres cruéis, quando os estimulamos às lutas insensatas e motivadas de maneira torpe. Isto precisa mudar. Urgentemente.