Enxaqueca Infantil – Causas, Sintomas e Formas de Tratamento

Sabemos que a enxaqueca atormenta adultos no mundo inteiro, sendo que no Brasil ela atinge cerca de 18% da população. Mas o que muita gente não sabe é que a enxaqueca também acomete crianças e jovens; e segundo pesquisas, cerca de 12% dos meninos e meninas, a partir dos 10 anos, têm alguma predisposição genética para o problema.

Infelizmente a enxaqueca em crianças não costuma ser diagnosticada rapidamente, uma vez que elas não sabem se expressar corretamente, sem contar que pais e professores tendem a associar a dor de cabeça infantil a problemas oftalmológicos devido aos longos períodos de esforço visual da criança numa sala de aula.

Enxaqueca Infantil

Enxaqueca Infantil

O resultado é que quando o problema não é percebido no inicio ou decorrer da idade escolar, a criança passa a ter um desempenho escolar prejudicado – o que pode elevar o risco do surgimento de distúrbios como ansiedade e depressão.

Causas

Segundo especialistas, a enxaqueca infantil tem várias causas, entre as quais podemos destacar: dieta inadequada, alterações hormonais, tarefas em excesso, ansiedade, predisposição genética e privação de sono.

Sintomas

De modo geral, podemos dizer que os principais sintomas que indicam que uma criança pode estar sofrendo de enxaqueca são: dores concentradas em um lado da cabeça, náusea, vômito, sensibilidade à luz ( fotofobia ) e ao barulho ( fonofobia ). E o curioso é que a enxaqueca – cuja dor pulsante piora com esforço físico – costuma ser mais breve na infância do que na fase adulta.

Tratamento

Atualmente, segundo especialistas, o tratamento para a enxaqueca infantil não é dos mais fáceis. Em geral, como a crise de enxaqueca infantil é breve e espaçada, um simples analgésico e algumas horas de repouso já resolvem. A criança deve ser colocada para descansar em um quarto fresco, escuro e bem silencioso, com um pano úmido e fresco na testa ou sobre os olhos.

Porém, se a criança sente uma dor de cabeça forte e em intervalos curtos de tempo, prejudicando principalmente o seu rendimento escolar, a opção mais indicada é o tratamento preventivo com a orientação de um profissional competente.

Esse tratamento preventivo inclui a adoção de medicação especifica capaz de amenizar as crises, além das mudanças de hábitos que podem desencadear a enxaqueca, como, por exemplo, o uso de determinados alimentos que contêm tiramina, que é uma substância química encontrada no queijo curado e ricota, no chocolate, na salsicha, nas carnes em conserva, no café, no fígado de aves, no amendoim, no abacate, nas frutas cítricas, entre outros.

Portanto, como visto, com o apoio de pais atentos e as orientações de um profissional, é possível a criança conviver com a enxaqueca e evitar as crises; mas a boa noticia é que esse convívio também pode ser encurtado, pois, segundo os especialistas, quando a enxaqueca é tratada ainda na infância, na maioria das vezes ela desaparece antes de terminar a puberdade.