Dei a luz – e o que faço com as roupas agora??

Pois é. Você descobriu a gestação, espalhou a notícia e comemorou com todo mundo. A barriga começou a crescer e, como você estava bem de vida (ou tem muita gente amiga que tá podendo), arranjou um guarda-roupas inteiro de roupas pra grávida. Inteiro – e tinha de tudo! Blusões, calças, shorts, vestidos, sapatos… Aí seu filho nasceu e tudo aquilo caiu em desuso.

Você olha e morre de dó, afinal as peças estão praticamente novas! “E é tanta coisa… não tem jeito de jogar isso tudo fora”. Mas e aí? O que fazer com o guarda-roupa que passou de moda gestante pra moda balaio? “Engravido de novo?”

Encaminhando o que for possível

Esse é o único problema da moda gestante. Algumas peças são perfeitamente utilizáveis depois do nascimento da crianças mas tem aquelas que nem em sonho – por exemplo, as calças com faixas elásticas na cintura, os macacões com espaço pro barrigão, o top de ginástica especial para os seios com volume aumentado, alguns vestidos… E normalmente são peças lindas! Só que não tem jeito de usá-las sem dar na cara que a numeração está visivelmente errada.

Você tem algumas saídas técnicas pra isso, e a mais óbvia é em relação a você mesma. Se está nos seus planos ter outro bebê em breve, não há problema algum em guardar esse enxoval todo para a próxima gestação. Lave-as bem direitinho, embale-as em sacos plásticos bem fechados e acomode-as no maleiro, ou num baú… enfim, onde houver espaço suficiente para esquecê-las ali por um tempo. Quando engravidar de novo, desfaça todo esse processo – e, sim, lave-as outra vez.

Caso planeje “encerrar a produção” de bebês, você tem outras duas opções: passar adiante para irmãs, primas ou amigas que estejam grávidas, doá-las ou vendê-las em um bazar.

Passando pra frente

Roupa gestanteQuem nunca, não é? Parecer um hábito meio cafona, meio medíocre mas pode acreditar: não é. E além de não ser, é prova de que você e as privilegiadas sabem viver e conviver com sustentabilidade. Afinal, se as roupas estão em perfeito estado, são boas e tem alguém próxima em vias de fazer uso delas, por que não?

Roupas de moda gestante não são diferentes em relação às roupinhas de bebê: são pouco usadas e por isso sofrem pouco desgaste. Se você as mantiver sempre limpas e bem guardadas, durarão muitos e muitos anos; se a gestante pra quem você as deu também tiver os mesmos cuidados, ela também poderá passá-las adiante. E não é exagero: se essas roupas forem bem cuidadas por todas, podem ser usadas tranquilamente por quatro ou cinco mulheres, sabia? Só então elas vão apresentar desgastes visíveis visualmente. Claro, algumas peças feitas com tecidos mais delicados podem puir mais cedo, mas aquelas confeccionadas em jeans, brim e algodão vão longe.

Nenhuma gestante à vista? #partiuvender

Afinal, não necessariamente você compõe a roda das grávidas. Pode ser que você seja a única mamãe do seu círculo de amizades e que isso vá continuar ainda por uns bons anos, e não há conhecidas para quem passar suas roupas de quando estava grávida. Se não quiser guardá-las por um tempo (afina, ocupam espaço no armário, não é?), uma saída é a venda. Toda cidade tem um bazar ou um brechó bacaninhas onde você pode negociar aquelas peças para que gestantes que você não conhece faça bom proveito delas. Você faz uma graninha e deixa uma gravidinha contente!

E mais: a modernidade dos dias atuais trouxe os brechós e bazares online. Uma rápida pesquisa entre os grupos do Facebook e lá estão eles: centenas de bazares online – e muitos deles na sua cidade! Alguns são especializados em venda de roupas para gestantes online, inclusive, mas no geral, qualquer bazar de roupas aceita que você exponha fotos das suas peças lá para vender. E vende mesmo!

Vender? Não tenho coragem.

Roupa gestante

Quando nos tornamos mães, nosso coração fica mole, mole. A gente se apega a coisas que antes não nos despertariam tanto chamego, e nossas roupas de grávida às vezes se tornam o alvo desse amor todo. Mas sejamos práticas: se não temos pra quem dar a coleção e se também a ideia de vendê-la não nos agrada… que tal doar?

Muitas gestantes – e a gente sabe bem disso – têm uma condição de vida realmente ruim em termos financeiros. Moram em lugares precários, dependem do serviço público de saúde (que sabemos como é, também – e não curte a gravidez com a mesma tranquilidade que outras de nós. Se não podemos ajudar a todas as gestantes que se encontram nessa situação, que tal, ao menos, deixarmos algumas felizes com roupas novas pra essa fase? É simples: procure um centro de doações da sua cidade e leve as peças para lá, informando que são roupas para gestantes. Os gestores com certeza saberão para onde levá-las pois sabem onde as gestantes em situação de risco moram. Eles mesmos se encarregarão das entregas. Pode dar uma dorzinha no coração ao se desfazer desse pedaço da sua história, mas logo depois ele ficará leve.

Curtiu as ideias? Tem sempre um destino bacana para as roupas que você usou durante a gestação, é só ver qual se ajusta melhor a você.