Debaixo d’água

Falta de chuva e água em São Paulo? Não sei onde viram isso, gente. Mas brincadeiras à parte, parece que agora as coisas começam a voltar em sua normalidade. Depois de um 2014 seco e de certa forma histórico, o ano de 2015 começou enfrentando o auge da crise hídrica, mas aos poucos, a chuva vem aparecendo (com bastante intensidade) e Fevereiro já apresentou uma grande evolução significativa em relação ao nível das represas paulistas.

Bem verdade que as iniciativas emergenciais tomadas pelo governo e toda conscientização que a sociedade teve com a situação. Relembrando um pouco do caso, o problema com a água começou no fim de 2013 sem tanta preocupação. No começo do ano seguinte, as esperadas chuvas também não apareceram como deviam, e então as coisas começaram a ficar alarmantes. E depois de conviver com meses tão secos e preocupantes, parece que a chuva decidiu aparecer toda de uma vez só.

A-chuva-voltou-com-força-nesse-início-de-ano.Essas duas últimas semanas retratam bem como a chuva decidiu fazer parte de vez do nosso dia a dia. De manhã um sol para enganar os mais desligados, de tarde aquele temporal de acabar o mundo e a noite uma variação entre muito calor ou o tempo esfriando demais. Mas condições climáticas a parte, que são responsáveis pelos inúmeros resfriados e outros desconfortos respiratórios, a água também deve ser analisada e usada com uma certa precaução.

A volta da água

Durante grande parte do ano passado, nos acostumamos a lembrar da imagem das represas vazias. O reservatório da Cantareira é um grande exemplo disso, ao citar o termo crise hídrica, automaticamente já ligamos as fotos que sempre saem por aí. E é nelas que devemos nos atentar. Provavelmente, você também ouviu falar sobre o volume morto que estava sendo usado para o consumo da população, em tempos mais graves da crise, não é?

Estes-simples-materiais-fazem-toda-a-diferença-na-qualidade-da-água-que-você-consume.Pois então, só pra avisar, essa água jamais havia sido usada para abastecer a cidade de São Paulo, e apesar dos testes terem sido realizados e aprovados, essa água que chegou e ainda chega pode ser um pouco perigosa. Como assim, você está falando de água suja? Na verdade não. O tratamento que essa água recebe, faz com que ela chegue a sua casa com uma série de elementos químicos, além do barro que ocupa grande parte das reservas que estão perto de seu leito.

Para não deixar que esses elementos ou a própria sujeira da água faça parte da rotina da sua casa, é importante pensar em alguns elementos filtrantes que podem ser usados para a limpeza da água de uma maneira mais fácil. Os cartuchos de polipropileno podem te ajudar em casa com mais facilidade. Normalmente usados nos filtros de água, eles limpam a água e garantem a sua qualidade para consumo.

As membranas de osmose reversa também realizam esse processo, mas de uma maneira diferente, e tem como um exemplo mais comum de utilização, no processo de dessalinização da água, além de mais alguns projetos que foram criados para conseguir extrair a água potável de fontes com outras características. Por isso, é importante que estejamos atento as novas característica do momento. Que venham às chuvas, e os elementos filtrantes preparados para recebê-las.