Controle de Acesso na Segurança dos Hospitais e Centros de Saúde

Segurança dos Hospitais e Centros de Saúde

Segurança dos Hospitais e Centros de Saúde

A segurança de hospitais é um verdadeiro desafio para profissionais ligados a este segmento. Considere a grande variedade de pessoas que compõem um ambiente hospitalar típico – os pacientes, funcionários, fornecedores, médicos, visitantes e outros. Considere agora também o lugar: muitos quartos diferentes e espaços variados, equipamentos de alto valor, acessibilidade aos medicamentos, muitas entradas e facilidades de movimentação no interior do prédio e das instalações.

Tudo isso somado à necessidade de diferentes abordagens para a segurança do hospital faz com que gestores hospitalares foquem suas decisões de segurança nas leis, nos custos, nas ameaças prováveis, além da proteção de suas instalações. Mas os ativos críticos de um hospital – os seus clientes, sua propriedade, informações e reputação – devem ser protegidos também com uma boa segurança e estratégia.

Para analisar as necessidades de segurança, deve-se inciar listando os departamentos de acordo com a visão da cultura empresarial do hospital, levando-se em conta a determinação dos níveis de ameaça em cada departamento de acordo com os relatórios dos chefes destes sobre as ameaças e riscos prováveis, tornando possível assim um planejamento adequado das estratégias de segurança.

Em seguida, avança-se para um plano mestre de segurança que deve ser revisto sempre que necessário, adequando-o a nova realidade com auxílio das ferramentas e tecnologias necessárias.

Os profissionais de segurança devem observar as prováveis ameaças em áreas específicas, isolando-as. A saber:

– Situações de emergência ligadas à segurança, como brigas, assaltos, conflitos entre pacientes e profissionais da saúde;
– Cuidados com departamentos de pediatria e maternidade. Sendo estes mais propensos a sequestros infantis, com a necessidade de monitoramento com câmeras de segurança e controles de acesso;
– Farmácia / Área de armazenamento de medicamentos (implantação de sistemas de controle de acesso com alarmes);
– Áreas e setores mais vulneráveis, como a recepção, elevadores com bloqueio, além de um centro de comando monitorado;

– Salas de cirurgias com controle de acesso, câmeras de segurança;
– Laboratórios (controle de acesso, alarmes, CFTV e câmeras);
– Área de medicina nuclear (controle de acesso, CCTV);
– Área de geriatria (localizadores de pacientes, CCTV);
– Área de assistência psiquiátrica (“lock-down”, controle de acesso, retenção pessoal, sala de segurança);
– Necrotério (área de serviços de pessoa falecida, controle de acesso, sistema de alarme, CCTV), e
– Área de PBX (monitoramento remoto, segurança na sala de descanso, alarme de retenção e controles de acesso).

Estacionamentos, demais áreas de acesso e circulação não devem ser ignorados, aliadas a uma boa iluminação e rigorosos controles de acesso, CCTV nas escadas com alarmes nos caixas e balcões são medidas fundamentais para manutenção de um bom nível de segurança. O mesmo deve ser feito em áreas de alimentação, e sempre que houver maior concentração de pessoas. Além, é claro, do cuidado com a potencial ameaça a locais de armazenamento de resíduos de descarte  (biológicos e químicos), através de controles de acesso eficientes.

Novas tecnologias e dispositivos como pagers com alarme, sistemas de detecção de sequestro infantil, sistemas de CFTV  para perseguição em vídeo, rastreadores e sistemas de proteção dos ativos podem aumentar e melhorar ainda mais a segurança de grandes centros de saúde e hospitais.

A realidade é que a implementação da segurança hospitalar é única, dada as características exclusivas destes negócios; mas com um bom planejamento e estratégia, a proteção e segurança destes ambientes sempre pode ser aprimorada.