Como Fica a Poupança?

Novas regras da poupança

Novas regras da poupança

Tempo e dinheiro são investimentos que não podem ficar para depois. Com a mudança nas regras do rendimento das poupanças, ainda pairam dúvidas sobre como passou a ser efetuado o rendimento desse tipo de aplicação financeira.

Para quem quer entender um pouco mais sobre o assunto, este artigo explicará as regras fundamentais da mudança. Em primeiro lugar, os depósitos efetuados antes do dia 4 de maio de 2012, data em que a nova regra entrou em vigor, continuam a render pela regra antiga, sendo de responsabilidade do banco a exposição dos rendimentos (novo e antigo) no extrato.

Antes, os rendimentos eram fixos, ou seja, independente do aumento ou da diminuição da taxa de juros do Banco Central (Selic), as aplicações em poupança rendiam 6,17% ao ano + TR. Com a nova medida, os rendimentos passam a ser variáveis, ou seja, se a Selic for maior de 8,5%, os rendimentos são calculados como no sistema anterior. Caso contrário, os rendimentos variam de acordo com a Selic (quando a taxa for menor de 8,5%) + TR.

Na prática, quem se preocupa em ter uma aplicação mais rentável, deve pensar duas vezes antes de investir na poupança, já que a partir do final de maio, a Selic abaixou para 8,5%. A tendência, nesse período, é que a taxa abaixe ainda mais. Assim, os rendimentos serão calculados em 70% da Selic + TR, o que resulta em menos de 6,17% + TR dos rendimentos fixos.

Vale lembrar, no entanto, que mesmo com a mudança a caderneta de poupança mantém a isenção do Imposto de Renda Retido na Fonte, e os saques poderão ser efetuados pelas aplicações dos novos depósitos,   ou seja, aqueles que rendem menos, são retirados primeiro. Com isso, os depósitos antigos, que continuam a render pelo sistema fixo, não sofrem alterações. Até que não se aprove uma nova mudança, pelo menos.