Ciência e Religião – A Busca pela Coexistência Pacífica

Ciência e Religião são elementos complementares no contexto histórico evolutivo. E com o passar do tempo, estas infinitas ramificações se encontram periodicamente em constantes mutações filosóficas. Historicamente estes contextos vêm tendo aplicações complexas entre inúmeros pontos de vista no decorrer do tempo. Um elemento científico, por exemplo, pode transcender o conhecimento religioso e vice versa. Embora o conhecimento científico bem como o religioso serem muitas vezes distintos em sua trajetória, existe sim uma coexistência pacífica entre as partes. Este caminho busca em si uma união de elementos e não simplesmente um mero e proposital ostracismo de uma determinada parte.

É importante lembrar que acúmulo de informação não é sinônimo de conhecimento, o conhecimento só será convertido em sabedoria se for usado em benefício do próximo, isso é resultante entre a ponte da crença e do conhecimento científico. Um elemento não diminui o outro, mas se completam quando existe o verdadeiro equilíbrio e a importante mansidão para poder se alcançar a amplitude necessária. Em todos os tempos o que fica notório em sua amplitude, é que sempre se buscou explicações para os mistérios da vida, e exemplos da realidade no além, do cosmos, do universo e do desconhecido. Conhecer o que existe além da fronteira, é o exercício prático da ciência, e buscar praticar aquilo que se propõe como crença, é a rotina frutífera de uma possível evolução espiritual.

A busca pelo desconhecido.

A busca pelo desconhecido.

Na complementação do contexto, entre ciência e religião podemos constatar diferenciações históricas, como por exemplo, na chamada idade média, existiu uma clara luta pelo poder da religião em oposição aos intelectuais pensadores da época, uma parte querendo impor a verdade e a outra inserindo como compreendia a realidade por medições baseadas em experimentações cartesianas. Já na idade moderna se abreviou tal imposição e se permitia incluir objeções independentes do entendimento religioso. Buscando assim o firmamento entre as partes. Isso aliou um valioso e importante mecanismo de ação, onde era possível entender além de como as coisas funcionavam, mas também inserir a posição da dúvida sem ferir diretamente outras posições.

A passagem da idade média para a contemporânea, a ciência e a religião praticamente caminham lado a lado. Pois unem fontes inestimáveis de conhecimento e sabedoria muitas vezes em prol de um mesmo caminho, mesmo que isso contemple diferentes fontes. Hoje é possível dimensionar como o universo foi criado, sem que existam barreiras intransponíveis sob o ponto de vista teológico. A física quântica insere conhecimentos profundos que abrangem tanto origens como causas da busca pelo desconhecido. Seja no campo na experimentação científica ou da contemplação religiosa, o que é mais precioso em todo este vasto estudo, é que vale mais a pena enaltecer a união de forças do que simplesmente exaltar suas posições, e assim fazer uma ponte de ligação entre as partes para assim contemplar o estudo da imensidão de nós mesmos. Confira Ciência e Religião (documentário).