Chapada Diamantina: O Paraíso do Sertão Baiano

Encravada no coração da Bahia em meio ao sertão está situada a Chapada Diamantina, uma extensão de montanhas da Cadeia do Espinhaço, que corta os estados de Minas Gerais e Bahia, dividindo bacias e formando e cenários maravilhosos, como canyons, cachoeiras e montanhas de rara beleza.

Chapada Diamantina

Chapada Diamantina

Dentro dessa cadeia de montanhas que forma a Chapada Diamantina, destacamos uma em especial: A Serra do Sincorá, onde está localizado o Parque Nacional da Chapada Diamantina.

Seu povoamento se deu por conta do garimpo de ouro num primeiro momento e diamante posteriormente. A época áurea da atividade de mineração do diamante, principal minério da Serra do Sincorá, não durou mais que trinta anos, mas foi tempo o suficiente para cidades como Lençóis, Mucugê, Andaraí e Palmeiras e vilarejos como Igatú serem criadas. Nasceram “ricas” porém ficaram “pobres” rapidamente com o esgotamento dos diamantes de fácil extração e com a descoberta de novas minas de diamantes na África do Sul, com pedras mais puras e caras e em número muito grande.

Esse declínio se deu juntamente com a Proclamação da República, quando o poder político passou a ser a maior fonte influência perante a região. Nesse cenário destacamos o Coronel Horácio de Matos, de família influente. Ele foi capaz de reunir um exército de jagunços e desafiar tropas do governo, impediu a passagem de Lampião e seus jagunços pela região que dominava e foi designado pelo governo federal a comandar um exército na perseguição da Coluna Prestes, com o objetivo de expulsá-los do território brasileiro, empurrando-os além da fronteira com a Bolívia.

Durante o século XX, outra pedra preciosa ganhou muito valor e passou a ser explorada: O Carbonato. É um composto puro de carbono, como o Diamante, porém de cor escura e mais dura. Era usada nas indústrias civil para construções como o Canal do Panamá ou metrô de Londres na ponta de escavadeira, cavando os túneis e fazendo os buracos de tais obras. Posteriormente, também perdeu seu valor, já que as indústrias passaram a fabricar suas “brocas” artificialmente.

No final do século XX, dos anos 70 até os 90, a atividade teve outra curta alavancada com o uso de motores, as drágas, no auxílio da coleta de diamantes. Tal máquina, basicamente um motor a diesel, fazia os “buracos” rapidamente, atingindo as “piçarras”, camada de rochas onde há o cascalho e os diamantes.

Com a criação do Parque Nacional da Chapada Diamantina, em 1985, o garimpo de diamantes foi proibido dentro dos limites do parque.

Desde então o local ficou famoso por sua beleza, revelando as paisagens surpreendentes e bonitas. Sua vocação turística ficou evidente e o fluxo da atividade cresce a cada ano na região, com atividades para todos os gostos: Caminhadas leves, visuais incríveis, banho de cachoeira e caminhadas de vários dias, cruzando as serras do PNCD e acampando pelo caminho. Na verdade, essa última é a maneira que consideramos ideal para conhecer as belezas e encantos da região, o paraíso do trekking.

Nós, da Extreme EcoAdventure, estamos à disposição para mostrá-los todos os cantos e encantos da região, desde os passeios mais tradicionais até expedições e trekkings exclusivos, sempre com muita segurança e transparência. Venha desfrutar desse paraíso!